Apesar de cessar-fogo, Hezbollah lança 10 foguetes no Líbano

Guerrilheiros do Hezbollah lançaram ao menos 10 foguetes Katiusha contra regiões no sul do Líbano no início da manhã desta terça-feira, informou o Exército israelense. Até o momento, não há notícias sobre feridos. Apesar do acordo de cessar-fogo que passou a valer no início da manhã desta segunda-feira, o Hezbollah se diz no direito de atacar as forças israelenses que ainda se encontram no sul do país. O Exército israelense informou que, como nenhum dos foguetes atravessaram a fronteira israelense, não houve resposta aos ataques.Hoje, os líderes de Israel e do Hezbollah declararam-se os vitoriosos do conflito que atinge o sul do Líbano há mais de um mês. Contudo, enquanto o líder do Hezbollah, Xeque Hassan Nasrallah, parece ter ganho apoio em sua terra natal, o premier de Israel, Ehud Olmert, enfrenta as críticas de seus opositores em casa.Durante um discurso ao parlamento israelense nesta segunda-feira, Olmert afirmou que a ofensiva mudou o equilíbrio estratégico na região, acabando com o "Estado dentro do Estado" controlado pelo Hezbollah no sul do Líbano. Ainda segundo ele, a maior parte do arsenal do grupo foi destruído. Olmert também prometeu não deixar os líderes do Hezbollah em paz. "Continuaremos a persegui-los em qualquer lugar e hora, e não pretendemos pedir desculpas ou permissão", disse.Mas, logo após terminar suas declarações, o primeiro-ministro israelense enfrentou críticas de seus opositores, que insistiram que o objetivo da ofensiva israelense - a destruição do Hezbollah - não foi atingido. As críticas podem levar a um enfraquecimento do governo de Olmert.Segundo uma resolução aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU na sexta-feira, uma força de 30 mil homens formada por contingentes do Exército libanês e por tropas da ONU ocupará o sul do Líbano, pondo fim a anos de dominação do Hezbollah na região. O objetivo é criar uma zona de segurança para impedir os ataques do Hezbollah contra o norte de Israel.Também discursando neste primeiro dia de trégua entre Israel e o Hezbollah, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse que o grupo sofreu uma ampla derrota. "O Hezbollah iniciou a crise e sofreu uma derrota", disse. Hezbollah mais popularApesar da retórica, a guerrilha não foi totalmente eliminada, e ainda não se sabe quais foram os danos reais sofridos por seu arsenal. Além disso, a popularidade do grupo cresceu dentro do Líbano e no mundo árabe como um todo, uma vez que impôs as batalhas mais difíceis jamais enfrentadas pela máquina de guerra israelense."Nós saímos vitoriosos de uma guerra na qual grandes exércitos árabes foram derrotados", disse Nasrallah em um discurso televisionado nesta segunda-feira. "Estamos hoje (segunda-feira) diante de uma vitória histórica e estratégica, sem exageros".Momentos após o término do discursos, salvas de tiros comemorativas puderam ser ouvidas em toda a capital libanesa.O líder também descartou uma discussão aberta acerca do desarmamento dos seus guerrilheiros, dizendo que o assunto deveria ser tratado em sessões secretas com o governo, para evitar que o desarmamento sirva aos interesses de Israel. "No nível psicológico e moral é o momento errado, particularmente antes do cessar-fogo." O líder prometeu ainda que a organização xiita irá ajudar os libaneses na reconstrução do país. Segundo o clérigo, o Hezbollah - organização supostamente financiada pelo governo iraniano - ajudará a população a pagar aluguel enquanto as mais de 15 mil residências destruídas no país não são reerguidas.Texto atualizado às 23h03

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.