Kimimasa Mayama/EFE
Kimimasa Mayama/EFE

Apesar de conflito histórico, Shinzo Abe pretende assistir aos Jogos de Inverno na Coreia do Sul

Japão e Coreia do Sul compartilham uma história negativa do período de colonização da península, quando mulheres sul-coreanas foram obrigadas a trabalhar em bordéis militares do Exército imperial

O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2018 | 03h14

TÓQUIO - O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse que pretende assistir aos Jogos Olímpicos de Inverno na Coreia do Sul. A declaração veio após rumores de que ele não compareceria ao evento devido a um conflito histórico entre os países.

++ Coreia do Sul rejeita críticas à participação norte-coreana na Olimpíada de Inverno

Japão e Coreia do Sul compartilham uma história amarga que inclui a colonização da península pelos japoneses e a questão das "mulheres de conforto", obrigadas a trabalhar nos bordéis militares do Exército japonês.

++ Delegação norte-coreana chega a Seul para inspeção prévia dos Jogos de Inverno

"Gostaria de assistir à cerimônia de abertura para animar as atletas japonesas", disse Abe em uma entrevista publicada nesta quarta-feira, 24, pelo jornal conservador Sankei Shimbun. "Os Jogos Olímpicos são uma celebração de paz e dos esportes, e o Japão sediará Tóquio 2020", completou, em referência aos Jogos Olímpicos de Verão que ocorrerão daqui dois anos na capital japonesa.

Abe tinha sugerido que, talvez, não assistisse à competição em sinal de protesto pela questão das mulheres. Esse assunto interfere nas relações bilaterais há décadas, uma vez que muitos sul-coreanos o consideram o símbolo dos abusos e da violência cometidos pelo Japão durante a dominação colonial entre 1910 e 1945.

Sob um acordo de 2015, alcançado pelo antecessor de Abe e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, o Japão pediu desculpas a essas mulheres e forneceu um fundo de 1 bilhão de ienes (US$ 9 milhões) como reparação a uma fundação que ajuda as poucas mulheres sul-coreanas que ainda estão vivas. Porém, Jae-in criticou o acordo, porque o Japão se negou a assumir responsabilidade jurídica pelo caso.

++ Com equipe unida, Coreias fecham acordo final para Jogos Olímpicos

O primeiro-ministro japonês disse que queria se encontrar com o presidente da Coreia do Sul durante a visita para transmitir a posição do Japão em relação ao assunto. "Gostaria de dizer-lhe diretamente que não podemos aceitar de nenhuma maneira o pedido unilateral da Coreia do Sul de acrescentar cláusulas ao acordo", disse Abe.

A maioria dos historiadores consideram que até 200 mil mulheres, grande parte delas coreana, mas também chinesas, indonésias e de outros países asiáticos, foram levadas à força para os bordéis do Exército imperial.

Seul comunicou que, a princípio, deixaria de utilizar o dinheiro japonês destinado às mulheres e que empregaria seus próprios meios para ajudá-las. /Reuters e AFP

Mais conteúdo sobre:
Japão [Ásia] Coreia do Sul [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.