Adnan Abidi / Reuters
Adnan Abidi / Reuters

Apesar de derrota nas urnas, Pequim reitera apoio ao governo de Hong Kong

Chefe do Executivo da ex-colônia britânica diz que seu governo quer ‘ouvir humildemente’ a população; chanceler chinês insiste que cidade faz parte da China

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2019 | 07h27

PEQUIM - O governo da China reiterou nesta segunda-feira, 25, que apoia de maneira resoluta a chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, apesar da vitória da oposição nas eleições locais de domingo.

"O governo central chinês apoia resolutamente a chefe do Executivo Carrie Lam na região administrativa especial", o nome oficial de Hong Kong, declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang.

Ele não comentou diretamente a derrota dos candidatos pró-Pequim nas eleições locais organizadas após seis meses de protestos na ex-colônia britânica.

Líder quer ouvir população

Carrie Lam afirmou nesta segunda que seu governo deseja "ouvir humildemente" a população, um dia depois da derrota eleitoral.

Para Entender

Por que há tropas chinesas em Hong Kong?

Apesar de ter certa autonomia sob o princípio de 'um país, dois sistemas' e de a lei básica estabelecer que o governo local é responsável pela manutenção da ordem pública, Hong Kong tem guarnição do Exército Popular de Libertação chinês

“O governo seguramente vai ouvir humildemente as opiniões dos cidadãos e refletirá seriamente sobre elas”, disse Carrie em um comunicado publicado após o fim da votação.

O porta-voz da diplomacia chinesa reiterou que "conter a violência e restabelecer a calma são as tarefas mais urgentes em Hong Kong". "A China se opõe às interferências nos assuntos de Hong Kong de qualquer potência estrangeira", afirmou Geng Shuang.

Ministro insiste que Hong Kong faz parte da China

Hong Kong “faz parte da China” independentemente do resultado das eleições locais, ressaltou nesta segunda o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi.

Para Entender

Cinco meses de protestos em Hong Kong: do polêmico projeto de lei ao apoio internacional

Manifestações mergulharam o território semiautônomo em sua pior crise política desde que foi devolvido pelo Reino Unido à China

“Ainda não são os resultados definitivos. Esperamos os resultados finais”, disse Wang a jornalistas em Tóquio, após se reunir com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe.

Segundo os resultados parciais publicados por veículos locais, os candidatos da oposição ao Executivo pró-Pequim venceram as eleições depois de seis meses de protestos.

“Aconteça o que acontecer, Hong Kong faz parte da China, como uma região administrativa especial”, insistiu o ministro chinês. “Qualquer tentativa de semear o caos em Hong Kong ou de reduzir sua prosperidade e estabilidade está condenada ao fracasso.”

Desde o início das manifestações em Hong Kong, o governo chinês afirma que os distúrbios são provocados por elementos anti-China manipulados a partir do exterior.

No fim de semana, a imprensa chinesa pediu aos habitantes de Hong Kong que comparecessem às urnas para acabar com a violência. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.