EFE/EPA/JUSTIN LANE - 30/07/2021
EFE/EPA/JUSTIN LANE - 30/07/2021

Apesar de variante Delta, Fauci espera que os EUA não adotem novos lockdowns

Médico imunologista acredita, por outro lado, que cenário tende a piorar à medida que a cepa continua a se espalhar no país

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2021 | 12h17

WASHINGTON - Principal conselheiro médico do presidente Joe Biden, o imunologista Anthony Fauci disse neste domingo, 1º, que espera que os Estados Unidos não voltem a adotar lockdowns, apesar dos riscos crescentes de infecções por covid-19 representados pela variante Delta.

"Não acho que veremos lockdowns", disse Fauci, que também é diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, ao programa This Week, da ABC. "Acho que temos o suficiente da porcentagem de pessoas vacinadas no país, não o suficiente para esmagar o surto, mas acredito que o suficiente para não nos permitir entrar na situação em que estávamos no inverno passado.".

Embora Fauci não ache que os Estados Unidos precisarão fechar novamente como fizeram no ano passado, ele alertou que "as coisas vão piorar" à medida que a variante Delta continua a se espalhar. “Temos 100 milhões de pessoas neste país que são elegíveis para serem vacinadas e que não estão sendo vacinadas”, disse.

O número médio de novos casos relatados a cada dia quase dobrou nos últimos 10 dias e o número de pacientes hospitalizados em muitos estados está aumentando, de acordo com uma análise da agência Reuters. Ao mesmo tempo, o número de americanos vacinados aumentou.

"O lado bom disso é que as pessoas estão acordando para isso e isso pode ser um ponto de inflexão para aqueles que estão hesitantes", disse o diretor do Instituto Nacional de Saúde dos EUA, Francis Collins, à CNN neste domingo. "Isso é o que precisa acontecer desesperadamente se quisermos colocar essa variante Delta de volta em seu lugar, porque agora está tendo uma grande festa no meio do país." /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.