EFE/Joédson Alves
EFE/Joédson Alves

Apesar de volta de caminhões brasileiros, Planalto vê êxito em entrada na Venezuela

Segundo a Presidência, veículos cruzaram a fronteira sem que ocorressem incidentes na travessia

Fabrício de Castro e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2019 | 19h48

A Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência divulgou na noite deste sábado, 23, uma nota a respeito da crise que envolve a Venezuela e da ajuda humanitária enviada ao país vizinho pelo Brasil. De acordo com a Presidência, os dois primeiros caminhões brasileiros cruzaram a fronteira para a Venezuela sem que ocorressem incidentes na travessia. A reportagem do Estado, no entanto, que está no local, relata que os caminhões ficaram apenas na linha de fronteira.

“A Presidência da República informa que a participação do governo brasileiro foi exitosa em reunir e transportar as doações até o destino de distribuição”, diz a nota. “Inicia-se uma segunda fase da operação com os últimos preparativos de logística para a entrega dos produtos que se encontram armazenados na capital do Estado, Boa Vista.”

A reportagem do Estado, porém, viu que os caminhões ficaram apenas na linha de fronteira: uma rua com uma bandeira do Brasil e outra da Venezuela. Os caminhões ultrapassaram a linha e ficaram entre a bandeira do Brasil e da Venezuela. O local é considerado solo venezuelano, mas a linha fica, na verdade, a mais de 800 metros das barreiras militares da Venezuela.

 

Os caminhões não se aproximaram das barreiras e não foram descarregados. Eles ficaram estacionados no local, mas no início da noite foram retirados da linha de fronteira, após o início de uma confusão entre manifestantes.

A assessoria de imprensa do Planalto foi questionada pelo Broadcast a respeito deste suposto êxito da operação. Segundo a assessoria, houve êxito porque os caminhões entraram e este é o início da operação brasileira.

A Presidência informou ainda, por meio da nota, que o Ministério da Defesa ampliou as capacidades da Operação Acolhida, que está em atividade há mais de um ano, “mediante a triplicação do efetivo da equipe médica, o aumento do potencial logístico e a ampliação do sistema de evacuação médica, por meio da disponibilização de novas ambulâncias equipadas”.

Conforme a nota, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, esteve na manhã deste sábado em Pacaraima, justamente para viabilizar a entrada dos caminhões com medicamentos e alimentos no país vizinho.

“O governo brasileiro confia na solução da questão, certo de que os líderes daquele país terão a sensibilidade de atenuar as condições de vulnerabilidade as quais estão submetidos nossos irmãos venezuelanos”, completou a nota.

Em Brasília neste sábado, o presidente da República, Jair Bolsonaro, passou toda a tarde no Palácio da Alvorada. Ele não teve compromissos oficiais. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.