Esteban Felix / AP
Esteban Felix / AP

Apesar dos protestos, Piñera diz que não renuncia e fala em reformar Constituição

Em entrevista à emissora britânica BBC, presidente do Chile quebra o silêncio e assume 'parte da responsabilidade' na situação do país; federação de futebol suspende amistoso com a seleção boliviana

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2019 | 10h17
Atualizado 05 de novembro de 2019 | 19h56

LONDRES - O presidente chileno, Sebastián Piñera, afirmou que não renunciará, apesar dos massivos protestos contra o governo marcados pela violência que sacodem o país, mas admitiu “parte” da responsabilidade na crise, em uma entrevista divulgada nesta terça-feira, 5, pela emissora britânica BBC. Ele admitiu também estar disposto a fazer uma reforma da Constituição herdada da ditadura de Augusto Pinochet, na tentativa de silenciar os protestos nas ruas do país, após 20 dias. 

Em mais uma consequência dos protestos no Chile, a Conmebol anunciou nesta terça-feira que a final única da Libertadores entre River Plate e Flamengo foi transferida de Santiago para o Estádio Monumental de Lima, no Peru, no dia 23 de novembro. No dia 30, o presidente já havia desistido de receber duas importantes cúpulas internacionais, uma econômica e outra ambiental, que ocorreriam este ano no país. 

Depois de ficar em silêncio por dias, Piñera deu uma entrevista à BBC de Londres, na qual disse que não renunciará, apesar dos multitudinários protestos antigovernamentais. “Há pedidos para que você renuncie. Irá fazê-lo?”, questionou a jornalista Katy Watson da rede britânica, ao que Piñera respondeu apenas: “Não”.

"Esses problemas se acumularam nos últimos 30 anos. Sou responsável por parte deles, e assumo minha responsabilidade, mas não sou o único", afirmou. Em outra parte da entrevista, disse: "É claro que chegarei ao fim do meu governo. Fui democraticamente eleito pela grande maioria dos chilenos".

Para Entender

Guia para entender os confrontos no Chile

Presidente diz que país está ‘em guerra’ diante das manifestações violentas; entenda o que está acontecendo

As manifestações, que começaram em razão do aumento do preço das passagens de metrô, já estão em sua terceira semana e não parecem que irão retroceder tão cedo.

O governo parece impotente, apesar de ter decretado estado de emergência e enviado os militares às ruas para auxiliar o trabalho da polícia. Os gritos de "Renuncie Piñera!" se repetem nas manifestações.

Reforma constitucional

A Constituição prevê que se houver uma renúncia antes de faltarem dois anos para terminar o mandato, de quatro - Piñera fará 24 meses no poder em março -, o presidente é substituído pelo ministro do Interior, que deve convocar novas eleições. Quem vencer essas eleições, assume o cargo até o final do mandato original. Em caso de uma renúncia faltando menos de dois anos, é o Congresso que deve decidir o nome do substituto.

Como opção para neutralizar a crise, Piñera se mostrou aberto, pela primeira vez, a reformar a Constituição que data da ditadura de Pinochet (1973-1990)."Estamos dispostos a discutir tudo, incluindo uma reforma da Constituição", disse o presidente.

Aprovada em 1980 em um plebiscito questionado, a Constituição foi um instrumento sob medida para que o regime de Pinochet e os setores conservadores pudessem manter seu poder, mesmo depois do fim da ditadura, em 1990. Hoje, esse texto é apontado como a origem das desigualdades e da distância do mundo político em relação à sociedade chilena.

Seu ideólogo, Jaime Guzmán, assassinado por um comando de esquerda em 1991, estabeleceu um quórum muito alto para qualquer modificação substantiva da Carta Magna. 

Também estabeleceu uma série de detalhes considerados autoritários, entre eles, a impossibilidade de afastar os chefes das Forças Armadas. Esse dispositivo foi retirado da Constituição apenas em 2005, após um acórdão político.

Em um aceno ao setor empresarial, Piñera anunciou um pacote de ajuda a 6,8 mil pequenas e microempresas, afetadas pela crise social e que foram cadastradas pelo governo. 

 Aprovação de 13%

Com 13% de aprovação, Piñera é o chefe de Estado com os números mais baixos desde o retorno da democracia ao Chile em 1990.

Os ativistas, liderados pela ganhadora do prêmio Nobel da Paz Rigoberta Menchú, levaram Piñera a frear o que denunciam como “graves e sistemáticas” violações dos direitos humanos para reprimir os protestos.

“Há muitas queixas sobre o uso excessivo da força e, se isso realmente aconteceu, posso garantir que será investigado (...) e julgado”, afirmou Piñera. “Não haverá impunidade."

Manifestações violentas

Um dos homens mais ricos do Chile, pertencente à elite que é alvo das reclamações dos manifestantes que não abandonam as ruas, Piñera, no poder desde março de 2018, viu sua imagem desmoronar devido a uma crise social sem precedentes

Piñera tentou enfrentar a crise nas ruas com um pacote de reformas sociais, que inclui um aumento de 20% nas aposentadorias básicas e uma redução nas contas de luz. 

Ele trocou 8 de seus 24 ministros, incluindo seu chefe de gabinete e primo Andrés Chadwick, e seu ministro das Finanças, Felipe Larraín.

Mas suas medidas falharam em silenciar os protestos, e a violência tomou conta das ruas nos últimos dias. Na segunda-feira, após um feriado prolongado, várias manifestações foram realizadas no centro de Santiago e em outras cidades.

Na capital, milhares de pessoas se reuniram em frente ao palácio presidencial de La Moneda e na Praça Itália, no centro. O local é epicentro dos maiores protestos, incluindo o de sexta-feira, 25 de outubro, que reuniu mais de 1,2 milhão de pessoas.

Com tentativas pela manhã de retomar as atividades cotidianas da cidade, de tarde e de noite as cenas de violência entre manifestantes e a Polícia se tornam cada vez mais violentas, com fogueiras em vários pontos da cidade de 7 milhões de habitantes.

Ontem, duas policiais ficaram feridas após serem atingidas no rosto por bombas incendiárias lançadas por manifestantes.

De tarde, manifestantes tentaram avançar para setores de Providência, cercando locais que até agora tinham ficado de fora da manifestação. Um grupo chegou às proximidades do shopping Costanera Center, o maior da América do Sul.

Amistoso suspenso

Em meio à violência que tomou as ruas, a federação de futebol do Chile anunciou a suspensão de um amistoso com a seleção boliviana, que se soma ao cancelamento do campeonato local que dura semanas.

Para esta terça-feira, uma "marcha dos guarda-chuvas pretos" foi convocada pelas redes sociais, também na praça Itália, centro da capital./ AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.