Apoiado por Chávez, Humala evita rótulo de esquerdista

Ollanta Humala Tasso é fundador do Partido Nacionalista Peruano, o principal da coligação União Pelo Peru. Tem 42 anos, é tenente-coronel da reserva do Exército e lutou na guerra com o Equador, em 1995. Nunca exerceu cargo eletivo. Embora conte com o claro apoio do esquerdista Hugo Chávez, que costuma chamá-lo de "amigo", sua orientação ideológica permanece uma incógnita. Humala é filho do advogado nacionalista Isaac Humala, que recentemente defendeu a concessão de anistia aos líderes das guerrilhas Sendero Luminoso e Movimento Revolucionário Túpac Amaru, ambos presos em Lima. Sua mãe, Elena Tasso, declarou publicamente ser favorável ao fuzilamento de homossexuais. Em 2000, com seu irmão Antauro, Humala liderou uma fracassada rebelião militar contra o governo de Alberto Fujimori. Segundo o ex-chefe da inteligência fujimorista, Vladimiro Montesinos, o movimento teve como objetivo dar cobertura para que ele fugisse do país. Atualmente preso, o ex-colaborador de Fujimori era acusado por corrupção e violação de direitos humanos. Antauro voltou a liderar uma rebelião em 2005 e segue preso - mesmo assim, é candidato ao Congresso pelo partido Avança País, cujo candidato presidencial é outro irmão de Ollanta, Ulises. "Um dos erros mais comuns que se comete no exterior é descrever Humala como um candidato de esquerda", explica o professor da Universidade San Martín de Porres, de Lima, Julio César Castro. "O nacionalismo defendido por ele e sua família está mais próximo da extrema direita, baseado em doutrinas de supremacia racial, xenófobas e anti-semitas." Coligação: União Pelo Peru Propostas: Legalizar o cultivo de coca, revisar os contratos das privatizações, nacionalizar recursos naturais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.