Allison Dinner / AFP
Allison Dinner / AFP

Apoiadores de Trump se reúnem nos arredores de Portland e aumentam tensões

Manifestantes fizeram carreata em favor do presidente em cidade marcada por semanas de protestos por justiça racial

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2020 | 09h14

SALEM, OREGON -  Mais de mil apoiadores do presidente Donald Trump, incluindo alguns de grupos extremistas nacionalistas brancos, se reuniram no noroeste do Oregon na noite de segunda-feira, 7, em uma demonstração de força contra os manifestantes de esquerda, criando ainda mais tensão em uma região que tem sido abalada por semanas de protestos.

Apesar das advertências do Serviço Nacional de Meteorologia sobre uma tempestade de vento, centenas de carros, caminhões, tratores, motocicletas e pelo menos um trailer hastearam as bandeiras de Trump e tocaram "God Bless The USA" nos arredores de Portland. Alguns membros do grupo dirigiram cerca de 80 quilômetros até Salem, onde se reuniram em frente à sede do governo para protestar. 

Armados com rifles, pistolas, facas e cassetetes, eles atacaram um grupo menor de manifestantes derrubando pelo menos um ativista no chão. Os organizadores do evento disseram que o ato foi projetado para mostrar apoio ao presidente após semanas de protestos e confrontos violentos em Portland. 

A multidão incluía pessoas armadas usando coletes à prova de balas ou camisas com o nome de Aaron Danielson, o apoiador de Trump morto há algumas semanas em confronto na cidade. Havia também famílias com crianças pequenas e adeptos da teoria da conspiração QAnon. Alguns se identificaram como membros dos Proud Boys, um grupo que o FBI disse ter ligações com o nacionalismo branco.

A manifestação ocorreu em um fim de semana de feriado que viu novos protestos e manifestações políticas irromperem em cidades em todo o país, alguns dos quais se tornaram violentos na sexta e no sábado. No final do fim de semana, o número de manifestantes em muitas cidades havia diminuído, com pequenos confrontos esparsos entre manifestantes e policiais. 

Na noite de domingo, uma centena de manifestantes do Black Lives Matter se reuniram em frente a uma delegacia de polícia em Portland para queimar vários colchões, uma atividade que alarmou alguns residentes e autoridades municipais por seu potencial de gerar uma destruição maior.

Trump atacou manifestantes por justiça racial e autoridades eleitas de Portland, Nova York e Rochester, onde as tensões aumentaram depois que um vídeo apareceu na semana passada mostrando um encontro fatal entre polícia e um homem negro que sofria de uma crise de saúde mental. 

Trump qualificou Rochester - assim como Portland e outras cidades que nos últimos meses viram violentos confrontos entre a polícia e os manifestantes por justiça racial - como resultado de decisões políticas lideradas pelos democratas das quais ele não tem culpa.

A prefeita de Rochester, a democrata Lovely Warren, respondeu instando os moradores de sua cidade a ignorar Trump, acusando-o de tentar “incitar as pessoas” a promover suas próprias ambições políticas em um ano eleitoral. 

"Peço que todos os envolvidos ignorem o comentário do presidente. Seu único desejo é atrair as pessoas para que ajam com ódio e incitem a violência que ele acredita que o beneficiará politicamente. Não vamos dar a ele o que ele quer", afirmou a prefeita.   / W. Post 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.