AFP PHOTO / Brendan Smialowski
AFP PHOTO / Brendan Smialowski

Apoiadores de Trump terão tempos difíceis se governo acabar com Obamacare

Em áreas mais pobres dos Estados Unidos, especialmente na zona rural, grande parte da população depende da lei de saúde aprovada pelo ex-presidente democrata para ter acesso a atendimentos médicos

O Estado de S.Paulo

24 de março de 2017 | 16h38

WASHINGTON - Maribeth Coot, eleitora de Donald Trump, diz detestar o Obamacare, apesar de ser a única opção de cobertura médica existente em sua cidade, Rogersville, um diminuta localidade do sudoeste da Pensilvânia. "O governo deveria se afastar e me deixar solucionar sozinha, sair totalmente da indústria da cobertura médica", considera esta mulher de 52 anos, enquanto limpa seus móveis estragados pelas recentes inundações.

Donna Himelrick não tem seguro de saúde, apesar de ser a prefeita de Hundred, uma pequena cidade 30 km ao sul, na vizinha Virgínia Ocidental. "Ganho muito para o Medicaid e não o suficiente para poder pagar um seguro. É uma situação difícil", explica Donna, de 62 anos.

Como milhares de pessoas em Appalachia, as duas mulheres votaram no candidato republicano Donald Trump nas eleiçõs de novembro para dar uma guinada no sistema político dos Estados Unidos. O Affordable Care Act, nome oficial da lei conhecida como Obamacare, insistem, não é a solução para seus problemas de saúde, mas ambas terão que enfrentar mudanças dramáticas no atendimento de saúde se o sistema atual for substituído pelo plano que os republicanos projetam em Washington.

As clínicas locais são um salva-vidas (literalmente) para muitas pessoas em um contexto econômico difícil nesta região, mas agora que Trump é presidente as reformas aprovadas por seu antecessor Obama correm perigo, e isso pode se traduzir em um desastre para muitos centros médicos comunitários nesta região rural dos EUA.

"Há muitas coisas que devem ser resolvidas a respeito da saúde, mas fechar clínicas locais seria um problema para mim", afirma Donna.

Rede de segurança. O Cornerstone Care em Rogersville atende, junto a outras clínicas, a população desta zona onde as minas de carvão fecharam recentemente, aumentando o desemprego, e onde os centros de saúde de maior porte podem estar a mais de 30 km de distância.

"Somos a rede de segurança para esta comunidade", afirma Janice Morris, chefe-executiva da clínica Clay-Battelle em Blacksville, Virgínia Ocidental.

Com o Obamacare, vários Estados ampliaram o Medicaid, o programa de saúde federal para pessoas de baixa renda e deficiência física, para incluir os residentes cujas receitas se situem em 138% da linha da pobreza. Entre Pensilvânia e Virgínia Ocidental, somam 845 mil pessoas, razão pela qual eliminar o programa, como pretendem os republicanos, "teria um impacto terrível na região", explica o senador democrata Bob Casey.

Na clínica Clay-Battelle, cerca da metade dos pacientes são cobertos pelo Medicaid ou Medicare, o programa para os idosos. O Obamacare ajudou a diminuir o número de pacientes sem cobertura em Clay-Battelle e em Cornerstone, aumentando os reembolsos e permitindo, por sua vez, uma maior contratação de pessoas e horários de abertura ampliados.

"Muita gente não reconhece que a cobertura médica da qual dispõem só é possível graças ao Affordable Care Act", destaca Janice.

'Pensem na América rural'. Don Humbertson, de 64 anos, explica que deve a vida aos médicos de Clay-Battell que descobriram que tinha câncer de pulmão.

"Quando o Obamacare foi aprovado, eu era totalmente contra", explica este pedreiro aposentado, que tem dificuldades para falar e respirar por ter retirado parte do pulmão. "Mas agora vi como ajuda algumas pessoas".

Em uma disputa para tornar possível uma maior oferta de seguros dentro do livre mercado, os republicanos querem diminuir os subsídios que permitem aos americanos ter acesso à saúde, mas isso pode colocar em risco a cobertura médica de milhões de pessoas. A lei, que está por um fio, deve ser votada no Congresso nesta sexta-feira, 24.

Na terra de Trump, muitos trabalhadores da saúde são conscientes da ironia de que a reforma dos republicanos prejudique os centros de saúde que se ocupam das pessoas cujos votos levaram o novo presidente à Casa Branca.

"Encaro isso como algo pessoal", afirma Janice. "Boa parte de nosso quadro de funcionários é partidário de Trump. Por isso, peço (aos republicanos) que pensem na América rural que os apoiou. Que não deem as costas a ela", concluiu. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.