Apoio a Snowden deixa de render doações ao WikiLeaks

Está vazando dinheiro do WikiLeaks. As doações ao site que divulga informações oficiais sigilosas chegaram a disparar após ele oferecer apoio financeiro a Edward Snowden, o ex-prestador de serviços da Agência de Nacional de Segurança (NSA) que revelou segredos sobre o sistema americano de monitoramento. Em seguida, as contribuições minguaram, segundo a Wau Holland Foundation, com base em Hamburgo, na Alemanha, a principal coletora de fundos para o WikiLeaks.

CENÁRIO: Ben Moshinsky, Saleha Moshinsky e Cornelius Rahn / Bloomberg , O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2013 | 02h08

Um dia após Snowden ter se revelado como a fonte das reportagens de junho sobre o monitoramento de telefones e internet pela NSA, as doações subiram para 1.000 diários. As contribuições diárias caíram, em seguida, para cerca de 100, ou três vezes o nível anterior ao surgimento de Snowden, um patamar que, provavelmente, não tirará o WikiLeaks do vermelho após dois anos de déficits.

Com 1,9 milhão de seguidores no Twitter, o WikiLeaks vem lutando com problemas de financiamento desde que seu fundador, Julian Assange, foi retido na Embaixada do Equador em Londres para evitar a extradição para a Suécia. O grupo perdeu mais de US$ 50 milhões em doações depois que Visa Europe, MasterCard e American Express barraram o envio de dinheiro. Visa, MasterCard, PayPal, Bank of America e Western Union já haviam suspendido os pagamentos ao site quando o site publicou documentos confidenciais dos EUA.

O bloqueio foi levantado este ano depois de uma batalha judicial movida pela DataCell, com base em Reykjavik, que processa pagamentos do WikiLeaks. "O bloqueio bancário teve um efeito drástico no WikiLeaks", disse Hrafnsson. No ano passado, o grupo gastou quase 400 mil após receber apenas 69 mil em doações, segundo o relatório anual da Wau Holland Foundation. Hoje, o site pode processar doações via MasterCard e Visa por um portal de pagamento na França. "Estamos falando de dezenas de milhares de doadores, doando uma média de 20 a 30", disse Hrafnsson. "A doação mais alta foi de 1.200". / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.