Apoio ao governo da Índia despenca após escândalos

A popularidade do governo da Índia despencou em meio a escândalos de corrupção, inflação alta e desaceleração do crescimento da economia. Segundo pesquisa de opinião Star News/Nielsen divulgada neste sábado, caso as eleições parlamentares acontecessem agora, o Partido do Congresso, do primeiro-ministro Manmohan Singh, teria apenas 20% dos votos; o partido nacionalista hindu Bharatiya Janata (PBJ), o principal da oposição, teria 32%.

AE, Agência Estado

03 Setembro 2011 | 14h04

Pesquisa anterior do mesmo instituto, feita em maio, mostrava o Partido do Congresso com 30% das preferências e o PBJ com 23%.

A pesquisa divulgada neste sábado, que ouviu 8.926 pessoas em 28 cidades, foi feita depois de o manifestante anticorrupção Anna Hazare encerrar uma greve de fome de duas semanas que concentrou as atenções da opinião pública. Segundo os autores da pesquisa, "a cruzada de Hazare contra a corrupção deu a uma oposição em dificuldades, particularmente ao Bharatiya Janata, uma plataforma para as próximas eleições".

Atualmente, o Partido do Congresso tem 207 assentos no Parlamento; o Bharatiya Janata tem 115. A próxima eleição para o Parlamento da Índia será apenas em 2014, mas em 2012 haverá um teste eleitoral importante com o pleito para o Legislativo do estado de Uttar Pradesh, o mais populoso do país.

A pesquisa Star News/Nielsen também indica que Hazare, um ex-caminhoneiro de 74 anos seguidor das ideias do Mahatma Gandhi, seria o favorito para tornar-se primeiro-ministro, com 78% das preferências. Rahul Gandhi, herdeiro da dinastia política Nehru/Gandhi, que na pesquisa de maio aparecia como o principal candidato, tem agora apenas 17%.

A dinastia política Nehru/Gandhi tem exercido grande influência política na Índia desde que o país se tornou independente do Reino Unido, em 1947. Os descendentes do primeiro chefe de governo da Índia independente, Jawaharlal Nehru, adotaram o sobrenome do principal líder do movimento pela independência, o Mahatma Gandhi, embora não tivessem parentesco com ele. Indira Gandhi, filha de Nehru, foi primeira-ministra de 1966 a 1977 e de 1980 até ser assassinada, em 1984; o filho dela, Rajiv, foi primeiro-ministro entre o fim de 1984 e 1989; ele também foi assassinado, em 1991; sua viúva, Sonia Gandhi, é a atual presidente do Partido do Congresso. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Índia governo apoio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.