The New York Times
The New York Times

Apoio de Obama a Erdogan reflete interesse estratégico dos EUA

Presidente turco continua sendo um elemento fundamental na campanha contra o Estado Islâmico

Mark Landler*, The New York Times

22 de julho de 2016 | 05h00

É difícil lembrar hoje que, para o presidente Barack Obama, Recep Tayyip Erdogan, da Turquia, personificava um novo tipo de líder muçulmano. Obama o considerava “um homem de princípios e de ação”, segundo disse Tom Donilon, ex-assessor do presidente para segurança nacional, em 2011.

Mas, quando Erdogan começou a mostrar suas tendências autoritárias, as relações entre os dois, antes intensas, se deterioraram. As frequentes conversas por telefone com Obama acabaram e Erdogan observou que hoje raramente eles se falam.

Erdogan agora pode ser uma amarga decepção para o presidente, mas é ainda melhor do que qualquer outra opção - e, gostemos ou não, continua sendo um elemento fundamental na campanha contra o Estado Islâmico e em uma série de outras questões cruciais.

“Quaisquer que sejam nossas preocupações com o rumo que o governo de Erdogan está tomando - e há preocupações reais - ninguém pode achar que um golpe militar seja uma alternativa legítima ou sensata”, disse Philip H. Gordon, coordenador da política para o Oriente Médio no Conselho de Segurança Nacional até 2015.

Se o golpe tivesse sido bem-sucedido, afirmam funcionários do governo, a Turquia muito provavelmente teria mergulhado num prolongado período de instabilidade, talvez até de guerra civil. Com isso, ela se tornaria uma parceira ainda menos confiável na campanha contra o Estado Islâmico, depois que os EUA e seus aliados obtiveram o direito, em julho do ano passado, de usar a Base Aérea de Incirlik, na Turquia para lançar ataques aéreos contra o grupo. Por telefone, Obama instou Erdogan a se preocupar com a ameaça do Estado Islâmico.

No entanto, Erdogan, muito provavelmente, está preocupado com as ameaças dos separatistas curdos e dos partidários de Fehtullah Gulen, clérigo muçulmano que mora na Pensilvânia em exílio voluntário e é acusado por Erdogan de fomentar o golpe.

Obama e Erdogan já tiveram divergências anteriores. Numa reunião de cúpula em Toronto, em 2010, houve um violento confronto verbal de duas horas a respeito da decisão da Turquia de votar contra a imposição de sanções ao Irã no Conselho de Segurança da ONU. 

Foi esse o primeiro abalo de um relacionamento que começara num clima auspicioso, em 2009, quando Obama escolheu a Turquia como o primeiro país muçulmano que pretendia visitar como presidente.

Obama acreditava que Erdogan, que ascendeu na política como reformista, “demonstraria que é possível ser democrata e islâmico ao mesmo tempo”, disse Gordon. “Ele tem muita fé em Erdogan, investiu nesta relação”.

Erdogan, segundo os analistas, tinha igualmente fé em Obama. Ele o considerava um tipo de líder americano diferente, que não valorizaria as relações com Israel e a Arábia Saudita acima de todos os outros países da região. Em 2011, o presidente falou com maior frequência com Erdogan do que com qualquer outro líder estrangeiro, com exceção do primeiro-ministro David Cameron, da Grã-Bretanha.

Embora Obama advertisse periodicamente Erdogan a conter suas tendências autoritárias, o presidente, em geral, fazia suas críticas em privado. Este seria mais um reflexo da falta de opções de Obama. 

/ TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

*É CORRESPONDENTE NA CASA BRANCA

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.