Apoio do Quarteto de Madri a governo palestino de coalizão preocupa Israel

Os integrantes do grupo de mediadores de paz para o Oriente Médio, conhecido como Quarteto de Madri, endossaram a idéia de um governo palestino de unidade nacional. O Quarteto também concordou em incrementar a ajuda internacional indireta por meio de um canal que não passe pelo atual governo palestino liderado pelo Hamas.O governo israelense recebe nesta quinta-feira comsurpresa e preocupação essa decisão do Quarteto de Madri em favor de um governo palestino de união nacional, sem imposição de condições paraa participação do Movimento Islâmico Hamas. Fontes ligadas ao primeiro-ministro, Ehud Olmert, informaram que ele espera esclarecimentos dos Estados Unidos, que integram o Quarteto, juntamente com a União Européia, a ONU e a Rússia. Desde 2003 o grupo obter a paz no Oriente Médio. O anúncio do Quarteto, quarta-feira, na sede da ONU, após uma consulta entre seus representantes, encoraja o presidente palestino, MahmoudAbbas, a formar um governo de coalizão com o Hamas, "mas sem exigir o cumprimento de reivindicações", ressaltam fontes israelenses. As três reivindicações israelenses são o desarmamento da milícia do Hamas, o reconhecimento da legitimidade do Estado de Israel e o respeito aos acordos assinados pela Organização para a Libertação da Palestina (OLP) desde 1993. O ex-ministro de Relações Exteriores israelense Silvan Shalom, do partido direitista Likud, na oposição, disse à rádio pública que a suposta mudança na política dos EUA é "muito grave e umacatástrofe política" para Israel. O atual ministro do Interior, Roni Baron, reagiu. "Ainda bem que em Washington estão todos dormindo a esta hora e ninguém ouviu o que disse Shalom". O governo israelense, afirmou Baron, não deixará de exigir que o Hamas "cumpra as exigências da comunidade internacional, que com certeza não mudará de posição". O presidente George W. Bush reafirmou, em sua mensagem à Assembléia Geral daONU, as três exigências ao primeiro-ministro da ANP, Ismail Haniye, do Hamas, que negocia com Abbas a formação de um governo de unidade. Em sua decisão, o Quarteto também pede ao governo de Israel que repasse à ANP US$ 500 milhões que arrecadou como agente de retenção, segundo um acordo de cooperação econômica de1996. Israel suspendeu as transferências mensais de US$ 50 milhões à ANP em março, quando Haniye assumiu o governo, após a vitória eleitoral do Hamas em janeiro.

Agencia Estado,

21 de setembro de 2006 | 05h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.