Reprodução / Sotheby's
Reprodução / Sotheby's

Após 200 anos, jóias que ornavam pescoço de Maria Antonieta vão a leilão

De acordo com a Sotheby's, as peças foram secretamente retiradas de Paris em 1791, quando a monarca e seu marido, o rei Luis XVI, escaparam da Revolução Francesa; valores podem chegar a mais de US$ 300 mil

Jamil Chade, Correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2018 | 12h36

GENEBRA - Pouco depois do meio-dia de 16 de outubro de 1793, a guilhotina caiu sobre Maria Antonieta. Segurando-a pelo cabelo, seu carrasco levantou a cabeça da monarca como um troféu e, diante da massa, gritou: "Viva a República". Ela havia sido condenada por vários crimes, incluindo o de "esgotamento do tesouro nacional".

Pouco mais de 200 anos depois, as jóias que ornamentaram aquele pescoço vão a leilão nesta quarta-feira, 14, em Genebra. Guardada por dois séculos longe dos olhos do público, uma rara coleção será colocada à venda e promete atingir milhões de euros.

De acordo com a Sotheby's, as jóias de Maria Antonieta foram secretamente retiradas de Paris em 1791, quando ela e seu marido, o rei Luis XVI, escapavam da Revolução Francesa. Ao longo dos anos, elas permaneceram entre monarcas e famílias reais. Agora, parte está sendo leiloada pela casa real de Bourbon-Parma.

Das cerca de cem peças que vão à leilão nesta semana, dez delas pertenciam à monarca francesa, a última rainha antes da Revolução que, para muitos, era o símbolo da arrogância da aristocracia. Historiadores, porém, consideram que a má-fama em torno da figura da monarca foi exagerada também como forma de ampliar o ódio popular. 

"Essa é a venda do século 21", declarou o diretor da casa de leilão, Andres White Correal. Um pendente de diamante e pérola poderá ser avaliado em mais de US$ 2 milhões. Outras peçam podem chegar a mais de US$ 300 mil. Acompanhando um dos anéis, uma caixa ainda guarda fios de cabelo da rainha.  

"Essa é uma das coleções mais importantes a chegar ao mercado", disse Daniela Mascetti, também da Sotheby's.

Relatos apontam que Maria Antonieta passou toda uma noite embrulhando suas pérolas e diamantes em algodão, antes de fugir. Eles foram colocados numa caixa da madeira de xadrez para dissimular. De Paris, o material foi enviado para Bruxelas e, de lá, para a Áustria, o país de origem da monarca.

Em 1792, a família foi detida em Paris e, um ano depois, Maria Antonieta e o rei foram executados. Seu filho de dez anos morreu ainda na prisão e apenas sua filha, Maria Teresa da França, sobreviveu. Depois de três anos em total isolamento numa prisão, ela foi solta e enviada para Áustria, em 1796. Lá, recebeu as jóias de sua mãe. 

Sem filhos, ela deixaria as mesmas pérolas e diamantes a sua sobrinha, Luiza, duquesa de Parma, que então repassou para seu filho, Roberto I, o último duque de Parma. Desde então, as jóias estão com parentes dos monarcas europeus e, agora, chegam ao mercado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.