Após 3 dias de distúrbios, Cairo retoma vida normal

As tropas de choque do governo de Mohamed Morsi retomaram no final de semana o controle de regiões conflagradas por protestos antiamericanos no centro do Cairo. Na Praça Tahrir e na região da embaixada dos EUA, a segurança continua reforçada por centenas de policiais, mas os grupos de jovens que os enfrentavam com paus, pedras e coquetéis molotov se foram.

O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2012 | 03h02

Os distúrbios perderam intensidade na manhã do sábado. Nas horas anteriores, confrontos em frente a dois hotéis de luxo e às margens do Nilo foram intensos. Durante toda a noite de sexta-feira, centenas de jovens desafiaram as barreiras da polícia, que protegiam os acessos à Rua Tawfik Diab, onde está a representação diplomática dos EUA. Os grupos intensificaram os ataques usando bombas de fabricação caseira.

Entre os manifestantes, havia crianças, algumas com os olhos irritados pelas bombas de gás lacrimogêneo da polícia. A função dos meninos era encher sacos com pedras e entregá-los a adolescentes e jovens adultos, que as arremessavam contra as forças de ordem.

No início da manhã de sábado, a situação foi controlada graças à chegada de reforços, que desmobilizaram os ativistas. De acordo com dados do Ministério do Interior, 142 pessoas foram presas. Um total de 224 teriam ficado feridas nos incidentes, sendo 99 policiais. / A.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.