Nathalia Aguilar/EFE
Nathalia Aguilar/EFE

Após 55 dias fechados, shoppings reabrem sem brasileiros na fronteira do Paraguai

Presidente da Câmara de Comércio da cidade paraguaia afirma que reabertura da Ponte da Amizade, que interliga os dois países, está prevista para 15 de junho

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2020 | 20h24

SOROCABA – Os shoppings na fronteira do Paraguai com o Brasil que tanto atraem os brasileiros voltaram a funcionar, nesta segunda-feira, 25, depois de 55 dias de fechamento total. A principal clientela, no entanto, vai continuar ausente.

As fronteiras continuarão fechadas para a entrada de brasileiros no país vizinho. A reabertura gradual do comércio foi anunciada no domingo, 24, pelo presidente Mario Abdo Benítez, após 76 dias de quarentena. O país registra 865 casos e 12 mortes pelo novo coronavírus.

Em Ciudad del Este, ligada à brasileira Foz do Iguaçu (PR) pela Ponte da Amizade, os principais shoppings reabriram, mas as barreiras na ponte continuam intransponíveis.

Conforme o presidente da Câmara de Comércio da cidade paraguaia, Juan Vicente Ramirez, a reabertura da ponte pode acontecer na próxima fase do projeto de "quarentena inteligente", do governo do Paraguai, prevista para 15 de junho. De acordo com Ramires, o comércio de Ciudad del Este não se sustenta sem os brasileiros, que representam 95% do movimento.

Em Pedro Juan Caballero, que faz fronteira com a cidade brasileira de Ponta Porã (MS), dois dos principais centros de compra ainda não reabriram, apesar da autorização oficial. Conforme o presidente da Câmara de Comércio de Pedro Juan, Victor Barreto, ao menos 98% do movimento comercial se deve aos brasileiros que cruzam a linha internacional.

Cercas de arame farpado e barreiras das forças armadas paraguaias impedem a entrada desses consumidores. O comércio de rua voltou a funcionar, atendendo só o público paraguaio.

Representantes do comércio propuseram ao governo o estabelecimento de perímetros comerciais, nos quais os consumidores brasileiros circulariam com cuidados especiais de controle. Em Ciudad del Este, a área comercial possui cerca de 4.500 empresas, mas apenas 200 lojas funcionaram nesta segunda-feira. 

Apesar da pressão dos comerciantes, o presidente Benítez deixou claro que as fronteiras e as escolas serão as últimas a reabrir. O governo mantém controle rígido nas curvas de casos e mortes pela covid-19 no país. Nas últimas 24 horas, foram confirmados apenas três novos casos – todos eles de pessoas que retornaram do exterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.