Reuters
Reuters

Após 9 meses, 5 mil mortos

Mais de 250 crianças foram assassinadas ou violentadas sexualmente pelas forças de Assad

O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2011 | 03h08

DAMASCO - Passados nove meses desde o início dos distúrbios contra o presidente Bashar al-Assad, na Síria, a ONU estima que mais de 5 mil pessoas - em sua esmagadora maioria, opositores civis - foram mortos. Uma investigação solicitada pelo Conselho de Direitos Humanos (CDH) das Nações Unidas e liderada pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro concluiu que mais de 250 crianças foram assassinadas ou violentadas sexualmente pelas forças de Assad.

Autoridades do CDH pressionam agora o Conselho de Segurança da ONU para que acione o Tribunal Penal Internacional (TPI). A Corte de Haia passaria a investigar Assad e a cúpula de seu governo por crimes contra a humanidade. Mas a Rússia e a China ainda hesitam em levar o assunto para o TPI.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaAssad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.