Gianmarco Maraviglia/The Washington Post
Gianmarco Maraviglia/The Washington Post

Após a invasão da Ucrânia, a Moldávia teme que possa ser o próximo alvo de Putin

Embora o país nunca tenha se sentido mais próximo da Europa, também nunca se sentiu mais vulnerável ao Kremlin

Chico Harlan, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2022 | 15h32

Não houve sirenes de ataques aéreos na Moldávia, nem explosões nem baixas, mas algumas das turbulências e ansiedade da guerra já estão começando a aumentar.

As pessoas trocam mensagens nervosas nas redes sociais enquanto as tropas russas passam pela vizinha Ucrânia. Alguns moldavos estão estocando moeda estrangeira e elaborando planos para fugir. Muitos, vendo como vidas desmoronaram abruptamente na Ucrânia, dizem temer o potencial de catástrofe em seu próprio país: basta que o presidente russo, Vladimir Putin, expanda suas ambições.

"Você nunca sabe o que está na mente de um louco", disse Evgheni Liuft, 32, que mora na capital da Moldávia, Chisinau.

Dez dias depois de um conflito que está mudando alianças e derrubando a ordem mundial, as repercussões estão atingindo mais diretamente em países como a Moldávia – nações pós-soviéticas que se equilibraram por anos entre Oriente e Ocidente, e agora estão percebendo que o meio-termo é insustentável.

Na Moldávia, a guerra acelerou o esforço para se alinhar totalmente com a Europa. Na quinta-feira, 3, o país assinou um pedido de adesão à União Europeia, no que sua primeira-ministra, Natalia Gavrilita, descreveu como um voto pela “liberdade”. 

A Moldávia também se esforçou para acomodar mais de 250 mil refugiados ucranianos que cruzaram suas fronteiras, observou a primeira-ministra. Em uma visita no domingo à capital da Moldávia, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, chamou o país de um exemplo “poderoso” de uma democracia avançando, não retrocedendo.

Mas, embora a Moldávia nunca tenha se sentido mais próxima da Europa, também nunca se sentiu mais vulnerável ao Kremlin. Tropas russas estão avançando em direção a cidades portuárias ao longo da costa sul da Ucrânia, incluindo Odessa, a 48 quilômetros da fronteira com a Moldávia. Vários dias atrás, dirigindo-se ao seu conselho de segurança, o líder autoritário da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, exibiu um mapa de batalha que mostrava uma seta apontando para a Moldávia.

Analistas de segurança dizem que o progresso lento da Rússia até agora na Ucrânia pode reduzir as chances de Putin tentar ampliar a escala da invasão. Mihai Popsoi, vice-presidente do Parlamento da Moldávia, disse em uma entrevista que as autoridades de inteligência não veem indícios de uma ameaça direta – “embora o mapa (de Lukashenko) possa fazer você questionar minhas palavras”, disse ele. Ainda assim, ele acrescentou, toda ex-nação soviética está ansiosa. A Moldávia, que permanece fora da Otan e de suas garantias de segurança, já fechou seu espaço aéreo e declarou estado de emergência.

“As coisas podem dar errado a qualquer dia”, disse Popsoi.

Há mais uma razão pela qual a Moldávia está exposta: já tem cerca de 1.500 soldados russos dentro de suas fronteiras internacionalmente reconhecidas. Essas tropas - que a Rússia descreve como forças de paz - estão baseadas em uma área conhecida como Transnístria, um enclave separatista que funciona na prática como uma nação independente, onde as autoridades moldavas admitem que não têm controle.

Em um canal de Telegram da Moldávia criado para fornecer informações sobre o conflito na Ucrânia, as autoridades moldavas se viram correndo para desmascarar um boato após o outro. Não, disseram as autoridades, as tropas na Transnístria não estão lançando foguetes na Ucrânia. Não, eles disseram, as tropas na Transnístria não se juntaram ao conflito.

Mas houve um sinal legítimo do potencial de tensão. Um dia depois que a Moldávia se candidatou à UE. os líderes da Transnístria emitiram uma declaração deixando claro que não tinham interesse em seguir. Eles reiteraram a exigência de criar “dois estados independentes”.

A Transnístria é uma pequena faixa de terra, com uma população de cerca de 500 mil habitantes, que em um mapa parece um cume de escamas ao longo das costas da Moldávia. É também um lugar que fala de uma estratégia que a Rússia estava usando antes de sua invasão ucraniana em grande escala: promover cabeças de ponte de influência pró-Kremlin em ex-nações soviéticas.

A Transnístria nasceu de uma breve guerra no início dos anos 1990 em meio ao colapso soviético – a Moldávia queria a independência e proibir o russo como língua oficial; A Transnístria queria manter os laços soviéticos. Mas no longo rescaldo, depois que a guerra terminou em um impasse, os líderes russos, incluindo Putin, viram em seu interesse ajudar a sustentar o governo da Transnístria com subsídios.

Para muitos moldavos, a Transnístria tornou-se uma cápsula do tempo da URSS fácil de ridicularizar. É um lugar de estátuas de Lenin, bandeiras de foice e martelo e arquitetura soviética outrora grandiosa em decadência. A Transnístria também pagou um preço por seu relativo isolamento. Não reconhecido pelas Nações Unidas, tem uma moeda, o rublo, que é praticamente inútil fora de suas fronteiras. 

Cartões bancários internacionais não funcionam em caixas eletrônicos da Transnístria. Os salários são baixos. Apesar de toda a influência da Rússia, a maior potência na Transnístria é uma empresa monopolista, a Sheriff, que opera com pouca supervisão e controla tudo, desde postos de gasolina até supermercados e clubes de futebol.

Essas complexidades tornam mais difícil identificar o papel da Transnístria em um conflito potencial. Alguns transnistrianos têm passaportes russos, por exemplo; muitos outros têm moldavo. A maioria das exportações da Transnístria vai para a UE. O presidente da Transnístria, Vadim Krasnoselsky, disse no domingo que a Transnístria “não representa uma ameaça militar e não possui planos de natureza agressiva”.

Mas também está claro que a Transnístria está seguindo a Rússia ao minimizar a guerra, que Putin se referiu apenas como uma “operação militar especial”.

Jornais e canais de televisão da Transnístria quase não mencionam o conflito – e as pessoas que moram lá receberam o sinal de que o assunto está fora dos limites. Em uma vila da Transnístria neste fim de semana, três amigos – colegas músicos – que se reuniram para comer kielbasa e beber vodka ficaram felizes em falar sobre suas famílias. Ou dos tempos soviéticos. Ou a música que eles tocavam: músicas ucranianas, russas e moldavas dos anos 1970 e 1980. Mas eles resistiram a qualquer pergunta sobre seus sentimentos sobre a guerra ou a Rússia.

“Eu só quero paz”, disse o baixista. “Sou neutro”, disse o pianista.

Beberam um pouco mais.

“Sem política”, disse o guitarrista, que não quis se identificar.

Na capital da Transnístria, Tiraspol, um artista, Andrei Platonov, 29, disse que está em minoria: ele se opõe veementemente à guerra. Ele disse que “odeia” Putin e obtém suas informações principalmente do YouTube – não da TV da Transnístria. 

Mas ele disse que tem medo de compartilhar suas opiniões publicamente. Ele disse que não tem dinheiro para sair, mesmo que quisesse. Falando em inglês, Platonov começou a explicar a coisa que ele mais temia – mas ele queria ter certeza de que tinha as palavras certas. Então ele digitou seus pensamentos em russo no Google Tradutor e mostrou o telefone.

"Não há liberdade de expressão e eles prendem por comícios", disse.

O acordo de paz assinado em 1992 entre a Transnístria e a Moldávia veio depois de uma guerra que deixou cerca de mil mortos. Hoje, ainda existem alguns marcadores em ambos os lados de edifícios danificados em batalha, ou paredes salpicadas de munição. A guerra, disse Iuri Sclifos, 57 anos, que lutou pelo lado moldavo, foi um "enorme erro".

“Ninguém queria e nada de bom veio disso”, disse ele.

O objetivo da Moldávia de se juntar à União Europeia. agora acrescenta alguma urgência para encontrar uma saída para as negociações de acordo que estão paradas há anos. Enquanto o Chipre conseguiu aderir à União Europeia. apesar de uma disputa territorial, muitos especialistas dizem que a Moldávia daria credibilidade à sua candidatura à União Europeia resolvendo um conflito congelado que inclui tropas russas. “Particularmente do ponto de vista da segurança”, disse Iulian Groza, especialista em política externa, assuntos europeus e boa governança e membro do conselho de segurança da Moldávia.

Mas o caminho para o número de membros será longo. Na mesma semana, a Moldávia solicitou adesão ao bloco, o mesmo aconteceu com a Geórgia – ambos motivados por um apelo dramático da Ucrânia por “adesão imediata”. 

Eles se juntam a uma lista de países, incluindo Albânia e Macedônia do Norte, que tentam se juntar ao bloco há anos, enquanto encontram resistência de Bruxelas sobre a ideia de que o clube de 27 nações já admitiu muitos membros com corrupção e fraco Estado democrático de direito.

Mais de dois terços dos moldavos apoiam a ideia da filiação à União Europeia. Mas muitos jovens, que cresceram após o colapso soviético, dizem que seu país tem vulnerabilidades urgentes que um processo de anos não será capaz de resolver. 

Em Chisinau, na semana passada, em um moderno estúdio de compartilhamento de trabalho pago em parte com financiamento do governo dos EUA, os funcionários de uma empresa de criptomoedas sentaram-se ao redor de uma mesa e falaram com medo sobre a perspectiva de uma guerra. 

Em tal cenário, eles disseram, as tropas russas na Transnístria poderiam facilmente entrar na luta. Eles disseram que o próprio exército da Moldávia é fraco e pequeno. Eles acreditam que a Moldávia pode cair sob controle russo com velocidade alarmante.

"Vou para Londres na próxima semana", disse Tudor Cotruta, 33, fundador da empresa, que disse que queria sair antes de ser recrutado para uma guerra perdida.

Dois outros funcionários, Olga Cebotari, 24, e seu namorado, Liuft, disseram que também estavam fazendo as malas.

Tanta gente tinha planos de sair que a empresa, nos próximos dias, deixaria de ocupar seu espaço de trabalho compartilhado.

“Você pode sentir a tristeza no ar, é tão grosso”, disse Cotruta.

Uma guerra na Moldávia ainda era improvável, disseram eles. Mas vendo o que aconteceu na Ucrânia, mesmo os resultados de baixa probabilidade agora pareciam algo que valia a pena se proteger.

“É o pensamento de viver em um país onde você não pode mais se expressar”, disse Cebotari. “Isso é o que mais me assusta.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.