Após ameaça, xiita iraquiano acena com fim de sua milícia

O clérigo radical xiita iraquiano Muqtada al-Sadr afirmou ontem que está pronto para desmantelar sua poderosa milícia, o Exército Mehdi, se seus superiores religiosos lhe pedirem. O anúncio foi uma resposta à ameaça feita pouco antes pelo primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki, que prometeu banir Sadr e seus aliados da política caso ele não dissolva o Mehdi.A declaração de Sadr, divulgada por seus assessores, causou surpresa por ser feita num momento em que ocorrem novos confrontos entre a milícia e tropas do Iraque e dos Estados Unidos. Helicópteros militares americanos voltaram a atacar com mísseis o bairro de Cidade Sadr, principal reduto xiita em Bagdá. Os confrontos no bairro mataram ontem pelo menos nove civis. Desde domingo, mais de 30 iraquianos e 8 americanos morreram em Cidade Sadr.Muqtada al-Sadr já enviou aliados para consultar o aiatolá Ali al-Sistani, principal clérigo xiita do Iraque, e outras autoridades religiosas em Najaf (ao sul de Bagdá) e no Irã. Sistani raramente intervém em assuntos políticos. Mas, quando o faz, sua opinião é decisiva, já que tem o peso de uma lei islâmica.Diante de iraquianos cansados de cinco anos de guerra, Sadr pode ganhar prestígio se desmantelar sua milícia. E ele escolheu um momento crucial para anunciar sua proposta: um dia antes do depoimento, em Washington, das principais autoridades americanas no Iraque (ler ao lado) e dois dias antes de um grande protesto anti-EUA convocado por ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.