Steve Parsons/Pool via REUTERS
Steve Parsons/Pool via REUTERS

Após ano político conturbado no Reino Unido, rainha Elizabeth pede união em mensagem de Natal

Soberana faz tradicional pronunciamento no dia 25 de dezembro; neste ano de discussões eleitorais e sobre o Brexit, ela pede que britânicos 'superem velhas diferenças'

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2019 | 12h53

LONDRES - Depois de um ano agitado, com os escândalos que marcam sua família e o Brexit, a rainha Elizabeth II pedirá aos britânicos, em seu tradicional discurso de Natal, que superem as divisões.

Para a soberana de 93 anos, 2019 começou com um acidente de trânsito de seu marido, o príncipe Phillip, que precisou ser hospitalizado. Seu filho Andrew se envolveu em um escândalo sexual e seu neto Harry tornou público seu estado de ânimo diante da pressão da mídia.

"Pequenos passos dados na fé e na esperança podem superar as velhas diferenças e profundas divisões para trazer harmonia e compreensão", dirá a rainha em seu discurso de 25 de dezembro, segundo trechos revelados nesta terça-feira, 24. 

"É claro que a estrada nem sempre é fácil e, por vezes, este ano pareceu muito agitado, mas pequenos passos podem fazer uma grande diferença", acrescenta a rainha em uma passagem em que se refere à vida de Jesus Cristo.

Para Entender

Brexit: guia sobre a saída do Reino Unido da União Europeia

Entenda a origem do processo de separação entre Londres e Bruxelas, saiba o que já foi negociado entre as partes e conheça quais são os próximos passos previstos para o processo.

Elizabeth II pede a reconciliação no momento em que o Reino Unido se prepara para um marco histórico, com a saída da União Europeia, prevista para o dia 31 de janeiro, após três anos e meio de caos político, em meio ao qual ela manteve sua neutralidade.

No discurso, a rainha se refere às comemorações pelos 75 anos do desembarque da Normandia, quando "aqueles que foram inimigos se renderam para comemorar em ambos os lados do Canal da Mancha".

O primeiro-ministro Boris Johnson, com carta branca para implementar o Brexit graças à sua vitória eleitoral de 12 de dezembro, é mais direto em sua mensagem natalina e pede aos britânicos que "não discutam muito" durante as festas de fim de ano. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.