Após assaltos, 1 mil operários chineses na Líbia aguardam repatriação

Criminosos armados invadiram dormitórios junto à obra e roubaram computadores pessoais, móveis e ainda foram forçados a abandonar suas casas

Efe,

22 de fevereiro de 2011 | 02h45

PEQUIM - Mais de 1 mil operários chineses aguardam na Líbia a repatriação após serem assaltados e forçados a abandonar suas casas em Ajdabiya, no leste do país, disse um porta-voz da empresa nesta terça-feira, 22.

 

"Pedimos ao governo chinês sua repatriação", destacou um funcionário da construtora chinesa Ningbo Huafeng Construction Group, que desenvolve várias obras na Líbia.

 

O periódico "Xin Beijing" informou ainda nesta terça-feira que "criminosos armados com pistolas" assaltaram os dormitórios junto à obra e roubaram computadores pessoais, móveis e outros pertences, mas não causaram danos físicos.

Segundo o porta-voz, os operários chineses estão a salvo, "mas a comunicação é muito difícil".

 

A embaixada da China em Trípoli confirmou os incidentes e iniciou as gestões com o Ministério de Assuntos Exteriores chinês para a repatriação, advertindo os demais operários chineses na Líbia que tenham atenção com sua segurança.

 

A missão diplomática acrescentou que o assalto contra as instalações da empresa chinesa não foi o único, e o Ministério de Comércio pediu às companhias com negócios na Líbia que suspendam suas atividades temporariamente.

Tudo o que sabemos sobre:
China, Líbia, assalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.