REUTERS/Alkis Konstantinidis
REUTERS/Alkis Konstantinidis

Após barco naufragar, 14 refugiados morrem afogados a caminho da Grécia

Imigrantes partiram da Turquia na segunda-feira, mas foram surpreendidos por uma tempestade; Guarda Costeira conseguiu resgatar 27 pessoas

O Estado de S. Paulo

11 de novembro de 2015 | 08h48

ISTAMBUL, TURQUIA - Pelo menos 14 refugiados, entre eles sete crianças, morreram afogados nesta quarta-feira, 11, após a embarcação onde estavam naufragar. O grupo seguia da Turquia em direção à ilha grega de Lesbos.

Além de recuperar 14 corpos, a Guarda Costeira turca conseguiu resgatar 27 passageiros, segundo informações da agência de notícias Dogan. Os refugiados não tiveram a nacionalidade revelada, mas acredita-se que podem ser sírios ou iraquianos.

Os imigrantes partiram na segunda-feira da região de Ayvacik, mas foram surpreendidos por uma tempestade. Mesmo ao notar que a embarcação começava a acumular água, o grupo decidiu continuar a viagem. Contudo, quando eles tentaram voltar ao perceber que o bote estava afundando, não conseguiram alcançar o litoral turco, explicou o governador da Província de Çanakkale, Hamza Erkal.

A Turquia abriga cerca de dois milhões de refugiados sírios, dos quais 10% vivem em acampamentos e o restante sobrevive por conta própria no país.

Embora não corram perigo de serem expulsos, os sírios não conseguem obter o status legal de refugiados e não podem trabalhar legalmente. Assim, muitos tentam chegar à Grécia como primeira etapa para continuar viagem rumo ao norte da Europa.

Além disso, há um fluxo contínuo de sírios refugiados no Líbano que viajam à Turquia para tentar chegar às ilhas gregas.

Desde o início de 2015, 580.125 pessoas chegaram pelo mar à Grécia, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur). Entre janeiro e outubro, mais de 450 migrantes e refugiados morreram ou desapareceram em tentativas de atravessar o Mar Egeu, entre a Turquia e a Grécia, de acordo com a organização Anistia Internacional. /EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.