EFE/Nathalia Aguilar
EFE/Nathalia Aguilar

Manifestações contra presidente do Paraguai por falta de vacinas contra covid ganham força

Protestos de rua na noite de sábado voltaram a pedir a renúncia de Mario Abdo Benítez; quatro ministros já deixaram o cargo, entre eles o da Saúde; só 4 mil pessoas foram imunizadas no país

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2021 | 00h07
Atualizado 07 de março de 2021 | 20h42

ASSUNÇÃO - A mudança ministerial anunciada no sábado pelo presidente do Paraguai para acabar com os protestos que pedem sua renúncia desde a sexta-feira não teve efeito imediato. Os manifestantes foram às ruas neste domingio, 7, pelo terceiro dia consecutivo, afirmando que só param os atos quando Mario Abdo Benítez e o vice-presidente, Hugo Velázquez, deixarem os cargos. 

“Fora Marito (como é chamado o presidente paraguaio). Até que (você) renuncie, todos os dias (estaremos nas ruas)” e “chega de roubar e matar o povo. Fora Marito”, foram gritos entoados ontem perto da residência presidencial, no centro de Assunção. O quarteirão foi bloqueado por policiais. 

Além de exibir cartazes e bandeiras do Paraguai, os manifestantes colocaram um megafone perto da residência presidencial para que pudessem amplificar suas denúncias e insatisfações com o governo conservador.

Um ano após a detecção do primeiro caso de covid no Paraguai, a gestão da pandemia pelo governo tem sido contestada pela população em razão da demora na chegada de vacinas contra a covid-19 e da falta de medicamentos para tratar pacientes internados com a doença nas Unidades de Terapia Intensiva. 

Dias depois de decretada a quarentena em 2020, o governo Benítez conseguiu um empréstimo de US$ 1,6 bilhão para enfrentar a pandemia e a gestão era elogiada. 

Um ano depois, 4 mil doses da vacina Sputnik V foram aplicadas em profissionais da Saúde, ou seja, menos de 0,1% da população. Na tarde de sábado, chegaram ao país 20 mil doses da Coronavac enviadas pelo Chile, governado pelo conservador Sebastián Piñera. 

 

Com uma população de 7 milhões de habitantes, o Paraguai registrou 165 mil casos de covid-19 e 3,2 mil mortes em decorrência da doença. O país tem registrado números recordes de novos casos: na semana passada foram 115 a cada 100 mil habitantes. 

Ainda na sexta-feira, primeiro dia de protestos, o ministro da Saúde, Julio Mazzoleni, renunciou. No sábado, em resposta aos atos, Benítez anunciou a saída dos ministros da Educação, da Mulher e da Casa Civil. O Ministério da Saúde anunciou também a criação de novos leitos para atender a demanda de internações de pacientes com a covid-19. Para as UTIs serão destinados ao menos 10 novos leitos.

Crise de saúde

A convocação para o protesto da sexta-feira foi feita após o sindicato de enfermeiras e parentes de pacientes realizar nesta semana outras manifestações para denunciar a falta de suprimentos e materiais médicos nos hospitais públicos, especialmente entre os mais afetados pelo coronavírus.

Carlos Morínigo, pneumologista do Instituto Nacional de Doenças Respiratórias e Ambientais (Ineram), que concentra os pacientes mais graves com covid-19, disse que os hospitais "estão trabalhando muito" e que "a situação é complicada". “Ainda mais complicado é porque não temos cabeça (ministro). Queremos que isso seja resolvido o mais rápido possível para trazer tranquilidade aos cidadãos”, disse o médico em declarações a jornalistas.

O Ministério da Saúde garantiu na sexta-feira o fornecimento de insumos para o tratamento de pacientes com coronavírus, segundo declarações de um porta-voz. A entidade informou que existem quase 300 pacientes em terapia intensiva e pediu à população que reduzisse as aglomerações sociais.

“Estamos em uma situação crítica. Não estamos falando em reverter as fases de quarentena, mas vamos evitar multidões. É a única coisa que pode nos salvar do colapso do sistema de saúde”, alertou Hernán Martínez, porta-voz do ministério. / AFP, REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.