AP Photo/Maya Alleruzzo
AP Photo/Maya Alleruzzo

Após batalha legal de décadas, palestinos correm o risco de perder suas casas em Jerusalém Oriental

Famílias palestinas enfrentam despejo iminente no bairro de Sheikh Jarrah; situação difícil das famílias levou a semanas de manifestações e confrontos

Joseph Krauss, AP, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2021 | 10h01

Quando a família de Samira Dajani se mudou para sua primeira casa de verdade, em 1956, após anos como refugiada, seu pai plantou árvores no jardim, dando-lhes o nome de cada um de seus seis filhos. Hoje, dois pinheiros imponentes com os nomes de Mousa e Daoud vigiam a entrada do jardim onde todos brincaram quando crianças. A buganvília rosa sobe por um arco de ferro em um caminho que passa por amendoeiras, laranjeiras e limoeiros até sua modesta casa de pedra.

"A árvore Samira não tem folhas", diz ela, apontando para o cipreste que leva seu nome. "Mas as raízes são fortes."

Ela e seu marido, que vivem sozinhos após seus filhos adultos terem saído de casa, podem ter que deixar tudo para trás em 1º de agosto. É quando Israel deve expulsá-los após uma batalha legal de décadas travada por colonos judeus contra eles e seus vizinhos.

Os Dajanis são uma das várias famílias palestinas que enfrentam um despejo iminente no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental. A situação difícil das famílias levou a semanas de protestos e confrontos nos últimos dias entre os manifestantes e a polícia israelense.

Ela também destaca uma série de políticas que grupos de direitos humanos dizem ter como objetivo expulsar os palestinos de Jerusalém para preservar sua maioria judaica. O grupo israelense de direitos humanos B'Tselem e a Human Rights Watch, com sede em Nova York, apontaram essas políticas como um exemplo do que eles dizem ter se tornado um regime de apartheid.

Israel rejeita essas acusações e diz que a situação em Sheikh Jarrah é uma disputa imobiliária privada que os palestinos aproveitaram para incitar à violência. Um alto funcionário municipal e um grupo de colonos que comercializam "lotes residenciais" em Sheikh Jarrah não responderam aos pedidos de comentários.

Grupos de colonos dizem que a terra era propriedade de judeus antes da guerra de 1948 em torno da criação de Israel. A lei israelense permite que os judeus recuperem essas terras, mas impede que os palestinos recuperem propriedades que perderam na mesma guerra, mesmo que ainda residam em áreas controladas por Israel.

Os pais de Samira Dajani fugiram em 1948 de sua casa em Baka - agora um bairro nobre em Jerusalém Ocidental predominantemente judaica. Depois de passar vários anos como refugiados na Jordânia, Síria e Jerusalém Oriental, que era então controlada pela Jordânia, as autoridades jordanianas ofereceram a eles uma das várias casas recém-construídas em Sheikh Jarrah em troca de desistir de seu status de refugiado.

"Tenho lindas lembranças desta casa", diz Dajani, agora com 70 anos, lembrando como brincava com as outras crianças do bairro, onde várias outras famílias de refugiados palestinos também haviam sido reassentadas. "Foi como o paraíso depois do nosso êxodo."

As coisas mudaram depois que Israel anexou Jerusalém Oriental, junto com a Cisjordânia e Gaza, na guerra do Oriente Médio de 1967, em um movimento não reconhecido internacionalmente. Os palestinos querem todos os três territórios para seu futuro Estado e veem Jerusalém Oriental como sua capital.

Em 1972, grupos de colonos disseram às famílias que estavam invadindo terras de propriedade de judeus. Esse foi o início de uma longa batalha legal que nos últimos meses culminou com ordens de despejo contra 36 famílias em Sheikh Jarrah e dois outros bairros de Jerusalém Oriental. Grupos de direitos autorais israelenses dizem que outras famílias também são vulneráveis, estimando que mais de 1.000 palestinos correm o risco de serem despejados. Os Dajanis e outras famílias foram obrigados a partir até 1º de agosto. 

Uma audiência da Suprema Corte no caso de outras quatro famílias que deveria ocorrer na segunda-feira foi adiada por pelo menos um mês. Se perderem o recurso, podem ser despejados em alguns dias ou semanas.

Israel vê toda Jerusalém como sua capital unificada e diz que os residentes são tratados com igualdade. Mas os residentes de Jerusalém Oriental têm direitos diferentes, dependendo se são judeus ou palestinos. 

Judeus nascidos em Jerusalém Oriental recebem automaticamente a cidadania israelense, e judeus de qualquer outro lugar do mundo são elegíveis para se tornarem cidadãos israelenses. Os palestinos nascidos em Jerusalém Oriental recebem uma forma de residência permanente que pode ser revogada se eles passarem muito tempo morando fora da cidade. Eles podem se inscrever para obter a cidadania israelense, mas devem passar por um processo burocrático difícil e incerto que pode levar meses ou anos. A maioria se recusa, porque não reconhece a anexação de Israel. Os palestinos também são tratados de forma diferente quando se trata de moradia, o que tornará difícil para as famílias do Sheikh Jarrah permanecer em Jerusalém se forem despejadas.

Depois de 1967, Israel expandiu os limites da cidade para ocupar grandes áreas onde, desde então, construiu assentamentos judeus que abrigam dezenas de milhares de pessoas. Ao mesmo tempo, definiu os limites dos bairros palestinos, restringindo seu crescimento. Hoje, mais de 220 mil judeus vivem em Jerusalém Oriental, principalmente em áreas urbanas que Israel considera ser vizinhanças de sua capital.

A maior parte dos 350 mil residentes palestinos de Jerusalém Oriental estão amontoados em bairros superlotados, onde há pouco espaço para construir. Os palestinos dizem que o custo e a dificuldade de obter licenças os força a construir ilegalmente ou se mudar para a Cisjordânia ocupada, onde correm o risco de perder sua residência em Jerusalém. Grupos de direitos israelenses estimam que, das 40 mil casas em bairros palestinos, metade foi construída sem autorização e está sob risco de demolição.

Em parte devido aos protestos, Israel está sob pressão internacional por causa de Sheik Jarrah, com os Estados Unidos e a União Europeia expressando preocupação. Grupos de direitos humanos dizem que o governo pode suspender ou adiar os despejos, se quiser. Nesse ínterim, Samira Dajani plantou suas flores de primavera em pequenos vasos que poderá levar consigo caso seja forçada a deixar sua casa em agosto. As árvores com os nomes dela e de seus irmãos terão que ficar. Ela diz que tenta não pensar nisso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.