The New York Times / Facebook
The New York Times / Facebook

Após ‘Caso Rússia’, morador de Jundiaí apaga perfil no Facebook

O 'New York Times' investigou vários perfis usados nas eleições americanas por um suposto exército de hackers russos e o de Melvin Redick, da Pensilvânia, era suspeito, porque havia uma tomada no sistema brasileiro no fundo de uma das imagens

Ivan Machado, Especial para o Estado , O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2017 | 19h07

JUNDIAÍ -  O vendedor de Jundiaí, Charles David Costacurta, de 36 anos, apagou sua conta no Facebook depois de descobrir que suas fotos e da filha serviram para um perfil falso atacar a candidata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, nas últimas eleições. 

O jornal New York Times investigou vários perfis usados nas eleições americanas por um suposto exército de hackers russos e o de Melvin Redick, da Pensilvânia, era suspeito, porque havia uma tomada no sistema brasileiro no fundo de uma das imagens. 

Após a publicação da reportagem, site de notícias G1 passou a procurar o “dono” das fotos. Charles disse que se viu na reportagem e procurou o portal, mas "está arrependido". Ele não esperava tamanha repercussão e comentou que sua vida virou uma bagunça após o episódio. Jornalistas de vários veículos da imprensa passaram a procurá-lo e as pessoas o reconhecem por causa das imagens.

“Sou vítima em tudo isso. Pegaram minhas fotos e da minha filha. São fotos de 2014. Não sei como fizeram isso, porque meu perfil no Facebook era fechado, só para amigos. Eu não aceito amizade de ninguém que não conheço. Estou assustado”, disse ao Estado, avisando que não pretende mais falar com jornalistas e quer a sua vida tranquila de volta.

O vendedor está procurando um advogado para saber como agir, porque não sabe quem seria o responsável. “Falam que são os russos. Eu só usava o Facebook para publicar as fotos com a minha filha. Só isso." 

Charles disse que o caso prejudicou o seu trabalho e quer ter paz a partir de agora. “Eles usaram as fotos da minha filha. Minhas fotos. Imagine como estou me sentindo. Sou uma pessoa simples, dependo do meu trabalho para sustentar minha filha e não posso perder esse emprego”, afirmou.

Mais conteúdo sobre:
HackersRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.