Após censura, Google renova licença na China

O Google anunciou hoje a renovação da licença para continuar usando o endereço de seu site na China, que é fiscalizado pelas autoridades locais. Segundo comunicado publicado no seu blog, a empresa afirmou que espera "continuar a prover buscas na web e produtos locais as usuários no país". O anúncio ocorre após algumas mudanças no acesso ao site, e depois de o governo chinês ameaçar não renovar a licença, caso o Google continuasse evitando a censura. A empresa fazia o redirecionamento automático dos usuários chineses ao endereço eletrônico de Hong Kong, onde o serviço não é censurado.

AE, Agência Estado

09 de julho de 2010 | 15h17

A pressão do governo chinês vinha ocorrendo desde que a empresa decidiu, no início do ano, parar de cooperar com exigências de censura. Segundo o comunicado do blog, autoridades afirmaram que o redirecionamento automático dos usuários para Hong Kong era inaceitável. No comunicado, após a ameaça do governo chinês, o Google anunciou que iria mudar a forma como os usuários da China acessam seu serviço de buscas. Em vez de fazer o redirecionamento, o Google criou uma nova página para o endereço da China, com uma mensagem pedindo ao usuário para memorizar seu novo endereço, o www.google.com.hk, de Hong Kong, ou para clicar em um ícone chinês que o redireciona. Uma porta-voz do Google afirmou que a renovação da licença pelo governo significa que estas mudanças feitas no site da empresa na China foram consideradas satisfatórias.

Usuários e anunciantes do Google na China temiam que o site pudesse ficar inacessível, desde que a companhia anunciou, em janeiro, que não desejava mais cumprir as regras de autocensura impostas pelo governo chinês. A licença de conteúdo era uma preocupação importante, porque o Google precisa dela para usar seu endereço chinês, fiscalizado por autoridades. Se os direitos de usar o endereço forem suspensos, os usuários podem acessar diretamente o site do Google em Hong Kong (www.google.com.hk) ou outro site internacional do Google, mas as autoridades podem limitar o acesso a estes outros endereços.

O Google precisa renovar sua licença anualmente, embora tecnicamente a permissão expire em 2012. E a renovação não significa o fim das incertezas sobre o futuro do Google na China. Nos últimos meses, desde que a companhia anunciou que não colaboraria com a censura, alguns parceiros como o Tom Group e a Motorola retiraram sua cooperação com a companhia ou fizeram parcerias com concorrentes. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
internetcensuraChinaGooglelicença

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.