Governo de Israel/Reuters
Governo de Israel/Reuters

Após cinco anos preso, Gilad Shalit reencontra família em Israel

Militar foi trocado por mil prisioneiros palestinos em acordo fechado pelo Hamas e por Tel Aviv

Agência Estado

18 de outubro de 2011 | 11h14

Atualizado às 14h21

 

JERUSALÉM - Após cinco anos e quatro meses como refém da facção radical palestina Hamas, o soldado israelense Gilad Shalit, voltou à sua casa e aos braços de seus familiares nesta terça-feira. O militar foi libertado em troca da soltura de 477 prisioneiros palestinos em Israel, conforme prevê um acordo fechado por Tel Aviv e pelos radicais palestinos há uma semana. Outros 550 prisioneiros serão soltos em dezembro.

 

Durante a manhã, Shalit foi levado pelo Hamas até a fronteira com o Egito e entregue às autoridades do Cairo. Em seguida, os egípcios o levaram até os limites com Israel, onde encontrou representantes do governo israelense. Ele aparentava estar saudável, mas exames conduzidos após seu regresso apontaram problemas com nutrição, segundo a imprensa israelense. Nenhum incidente foi relatado durante o processo de troca.

 

Veja também:

linkPalestinos comemoram troca de prisioneiros com Israel

linkHamas: acordo inclui fim do cerco a Gaza

blog AO VIVO: Veja como foi a troca de prisioneiros

video TV ESTADÃO: Brasileiro relata captura de Shalit

lista PARA ENTENDER: O acordo entre Israel e o Hamas

lista PARA LEMBRAR: A captura de Gilad Shalit

tabela HOTSITE: A troca de detentos entre Hamas e Israel

  

Antes de voltar ao seu país, porém, Shalit falou à televisão estatal egípcia. Na breve entrevista, o soldado parecia desanimado e indiposto a falar, mas afirmou que soube da sua libertação há uma semana - justamente quando o acordo foi anunciado oficialmente tanto pelo Hamas quanto por Israel - e que foi bem tratado durante os mais de cinco anos em que permaneceu preso.

 

Após entrar em Israel, Shalit foi transportado à base aérea de Tel Nof a bordo de um helicóptero militar. Lá, encontrou seus pais, Noam e Aviva, que lideraram uma intensa campanha pela libertação do filho nos últimos cinco anos. Eles organizaram passeatas em todo o país e armaram uma barraca de protesto do lado de fora da residência oficial do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que também recebeu o militar.

Festa

 

A chegada de Shalit foi motivo de festa em todo o país. Milhares de israelenses acompanharam atentos o passo-a-passo da troca de prisioneiros, que foi concluída por volta das 12h40 locais (8h40 de Brasília), segundo o governo de Israel.

 

Minutos depois, o premiê israelense discursou, dizendo que desde que reassumiu o cargo, em 2009, trabalhou pela libertação do Shalit, capturado perto da fronteira com a Faixa de Gaza em 2006. Netanyahu, porém, foi duro e ameaçou os palestinos libertados, dizendo que eles "serão punidos caso voltem a praticar atos violentos". O premiê disse compreender a dor das famílias israelenses que perderam parentes em razão da violência palestina, mas afirmou que Israel "continuará a lutar contra o terrorismo".

Palestinos

Mais cedo, antes da libertação do israelense, havia sido iniciada a troca com o envio dos palestinos para Gaza, para a Cisjordânia e países como Turquia, Síria, Catar e Jordânia, que aceitaram recebê-los.

 

Tanto em Gaza - território controlado pelo Hamas - quanto na Cisjordânia, os prisioneiros foram recebidos com comemorações. Milhares de pessoas acenavam e agitavam bandeiras para os palestinos. Em Gaza, foi declarado feriado nacional e as escolas foram fechadas.

 

"Acho que o acordo representa algo grande para o povo palestino. Aqueles que ainda estão presos estão alegres por aqueles que foram libertados", disse o vice-líder exilado do Hamas, Moussa Abu Marzouk, que cumprimentou os prisioneiros que chegavam de Israel ao Egito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.