Após conflito, Rússia busca aproximar alianças regionais

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, buscará apoio à intervenção russa na Geórgia durante um encontro de sete líderes de Estados que faziam parte da União Soviética, na sexta-feira. A informação foi divulgada por funcionários russos, em meio a sinais de uma investida do Kremlin para fortalecer suas alianças regionais. A Rússia espera que o encontro do bloco de segurança, chamado de Organização do Tratado de Segurança Coletiva, se some a outro realizado na Ásia Central na semana passada, que incluiu a China. "Nós esperamos ratificação e compreensão, além de uma avaliação conjunta das ações da Geórgia que levaram a essa crise", afirmou o assessor presidencial Sergei Prikhodko à agência RIA Novosti. O encontro em Moscou na sexta-feira reunirá os líderes de Armênia, da Bielo-Rússia, do Quirguistão, do Casaquistão, da Rússia, do Tajiquistão e do Usbequistão. O evento ocorre após Moscou minimizar a condenação de países ocidentais à operação russa na Geórgia e do subseqüente reconhecimento russo das províncias separatistas da Ossétia do Sul e da Abkházia como independentes. Os líderes realizaram várias viagens pela região. O presidente da Rússia anunciou uma aproximação dos laços militares com o Tajiquistão, localizado perto do Afeganistão. O primeiro-ministro do país, Vladimir Putin, divulgou um novo acordo com o Usbequistão para a construção de um gasoduto. Será o terceiro gasoduto do Turcomenistão à Rússia, passando por Usbequistão e Casaquistão. Jornais russos demonstraram frustração hoje por nem tudo estar indo como a Rússia gostaria na região. O popular "Izvestia" notou que ainda nenhum país reconheceu as regiões separatistas da Geórgia. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.