Após convite, chefe da AIEA vai à Coréia do Norte

O chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohamed ElBaradei, disse nesta sexta-feira, 23, que aceitou um convite do governo de Pyongyang para visitar a Coréia do Norte e discutir os detalhes sobre o desmantelamento do programa nuclear da nação comunista.ElBaradei disse ter recebido o pedido depois do acordo firmado há dez dias para o fechamento do complexo nuclear de Yongbyon, o que ocorrerá com a supervisão de inspetores da ONU. Segundo o diplomata egípcio, ele e autoridades norte-coreanas deverão se encontrar para analisar a "implementação do congelamento das instalações (nucleares)" e um "eventual desmantelamento dessas instalações"."Segundo a carta (do convite), eles gostariam de melhorar e normalizar o relacionamento com a agência e esperam poder voltar a fazer parte dela", disse ElBaradei a repórteres em Viena, depois de uma reunião com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. "A primeira questão, é claro, será como desenvolver um plano para congelar as usinas de Yongbyon, e principalmente para garantir que eles voltem a ser membros plenos da AIEA", disse ElBaradei. A porta-voz da AIEA, Melissa Fleming, disse hoje que ElBaradei deverá viajar a Pyongyang na segunda semana de março, depois, porém, de uma reunião da diretoria da agência sobre os programas nucleares da Coréia do Norte e do Irã, o outro país que atualmente inspira preocupação nesta área.No dia 13 de fevereiro, a Coréia do Norte concordou em tomar providências para se desarmar nuclearmente em troca de uma ajuda de US$ 300 milhões. O acordo foi assinado em Pequim pela Coréia do Norte e os cinco países participantes das negociações - Coréia do Sul, EUA, Rússia, China e Japão. Segundo o entendimento, a Coréia do Norte se comprometeu a iniciar nos próximos dois meses o desmantelamento de suas instalações nucleares. BanFalando em Viena, o secretário-geral das Nações Unidas, o sul-coreano Ban Ki-moon, expressou sua esperança de que o convite se traduza em passos concretos em direção à desnuclearização da península Coreana. "Estou convencido de que esta visita (de ElBaradei) a Pyongyang será uma grande contribuição para implementar o comunicado conjunto", afirmou, referindo-se ao acordo de 13 de fevereiro.Há quatro anos, a Coréia do Norte expulsou os inspetores da AIEA, depois de ter sido acusada pelos Estados Unidos de planejar desenvolver uma bomba atômica. Em outubro, Pyongyang afirmou ter realizado um teste com um artefato nuclear.Texto ampliado às 17h58

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.