John Locher/AP
John Locher/AP

Após críticas, Trump pede a grupo de extrema direita que deixe a polícia 'fazer seu trabalho'

Durante o debate com Biden, Trump pediu aos ativistas do Proud Boys para 'recuar e ficar de prontidão', provocando o receio de estar incentivando-os a agir como monitores eleitorais informais

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2020 | 17h26

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, respondeu nesta quarta-feira, 30, à polêmica sobre sua recusa em denunciar os supremacistas brancos durante o debate de terça-feira com o democrata Joe Biden e pediu aos grupos de extrema direita que se afastem e deixem a polícia "fazer seu trabalho". 

"Afastem-se, deixem as forças de ordem trabalharem", declarou Trump sobre o assunto a jornalistas na Casa Branca.

Nesta quarta-feira, o candidato democrata denunciou o grupo de direita que Trump mencionou no debate, dizendo: “Minha mensagem ao Proud Boys e a qualquer outro grupo de supremacistas brancos é: parem e desistam”. “O povo americano decidirá quem é o próximo presidente. Ponto final”, acrescentou Biden.

Durante o debate, Trump pediu aos ativistas do Proud Boys para “recuar e ficar de prontidão”, provocando o receio de estar incentivando-os a agir como monitores eleitorais informais.

O Proud Boys se descreve como um clube de “chauvinistas ocidentais”, mas foi qualificado pela entidade sem fins lucrativos Southern Poverty Law Center como um grupo de ódio.

O grupo, formado apenas por integrantes masculinos, celebrou nas redes sociais a fala de Trump no debate. Começando já na terça-feira à noite e continuando por toda quarta-feira, as redes sociais foram inundadas de memes, incluindo um que mostrava Trump com uma das camisas pólo exclusivas dos Proud Boys. 

Outro meme mostrou a citação de Trump ao lado de uma imagem de homens barbudos carregando bandeiras americanas e aparentemente prontos para um confronto. Um terceiro meme incorporou a frase: "Stand back and stand by" no logotipo do grupo. 

 

Essas e outras imagens foram espalhadas com velocidade pela rede Parler e também em canais do Telegram, segundo pesquisadores. Um importante apoiador do Proud Boys no Parler disse que Trump parecia ter dado permissão para ataques a manifestantes, acrescentando: "isso me deixa muito feliz"./AFP, REUTERS e W. POST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.