Após debate cortês, candidatos dos EUA retomam ataques

As campanhas de Barack Obama e John McCain acusaram-se mutuamente na quarta-feira de promover a baixaria eleitoral e estimular a corrupção, um dia depois de um debate tenso, mas cortês, entre os dois candidatos a presidente dos EUA. O vice da chapa democrata Joe Biden, acusou o republicano McCain de estimular o medo no eleitorado, com anúncios e questionam o caráter de Obama. Num comício em Tampa, na Flórida, ele disse que a candidata a vice de McCain, Sarah Palin, está fazendo "as interferências mais ultrajantes". Anúncios da campanha de McCain perguntam "quem é o verdadeiro Barack Obama", enquanto Palin acusou Obama de ser amigo de um "terrorista doméstico", o ex-militante Bill Ayers, que realizou trabalhos comunitários com Obama décadas depois de abandonar a luta armada. Obama diz que só conhece Ayers -- hoje um acadêmico em Illinois -- de passagem, e que sempre criticou suas ações com o grupo esquerdista Weather Underground. McCain retomou outra linha de ataques na quarta-feira, acusando o rival de propiciar a corrupção generalizada que levou à atual crise financeira, ao receber doações das instituições de crédito imobiliário Fannie Mae e Freddie Mac, recentemente nacionalizadas. A campanha de Obama responde a tais acusações lembrando que assessores de McCain trabalharam como lobistas do Freddie Mac. "Esta corrupção foi estimulada por democratas no Congresso e teve o senador Obama como cúmplice", disse McCain, ao lado de Palin, num comício na Pensilvânia. Parte da platéia ensaiou um coro de "mentiroso" em referência a Obama, a quem o republicano acusou de não cumprir promessas eleitorais anteriores. A campanha de Obama tenta mostrar que McCain está nervoso e desorientado. Biden investiu nessa linha, dizendo num evento de arrecadação que "vocês estão vendo um homem irritado". O senador acusou McCain e Palin de estarem difamando Obama com insinuações infundadas, e acusou o republicano de buscar "um caminho baixo para o cargo mais elevado da terra". "Eles estão atacando Barack Obama das formas mais feias. Senhoras e senhores, isso é mais do que frustrante, é errado." (Reportagem adicional de Jeff Mason, em Bethlehem, Pennsylvania)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.