Após deixar estragos em Cuba, Ernesto segue para Flórida

Cuba começou a voltar à normalidade após a passagem da tempestade tropical Ernesto pelas províncias orientais do país, onde causou chuvas intensas e deixou milhares de pessoas desabrigadas.O temporal deixou o território cubano nesta terça-feira, e seguiu para o oceano Atlântico rumo à Flórida (EUA). Ainda assim, o centro e o leste da ilha continuaram sob influência das fortes chuvas que caíram durante a passagem da tempestade tropical.A Defesa Civil decidiu retirar nesta terça o aviso de estado de emergência declarado nas províncias orientais antes da chegada de Ernesto à Cuba, na manhã de segunda.No entanto, as províncias do centro do país, ainda sob o efeito de intensas chuvas, acompanharam de perto a evolução de "Ernesto", que saiu do país pelas ilhas de Sancti Spíritus com um pouco mais de força e com ventos de 75 km/h e uma velocidade de translação de 22 km/h.O Instituto de Meteorologia declarou que a tempestade tropical continuou um pouco dispersa em sua trajetória para o noroeste, mas advertiu que perigosas ressacas continuarão entre Camagüey e Matanzas, a cerca de cem quilômetros de Havana.Informações dadas pela imprensa oficial de Cuba dão conta de que Ernesto deixou entre 600 e 700 mil pessoas deslocadas na ilha. Segundo a Defesa Civil, no entanto, nenhuma morte foi registrada durante a passagem da tempestade tropical.Os maiores danos foram causados pelas intensas chuvas, que causaram inundações em Guantánamo e que isolaram vários povoados de Santiago de Cuba.Após a melhora da situação, a Defesa Civil organizou durante todo o dia a operação de retorno de deslocados para casa. Também foram restabelecidos os serviços de transporte ferroviário e o tráfego aéreo nacional.As autoridades cubanas irão avaliar os prejuízos nas próximas horas, assim que houver uma melhora das condições meteorológicas. A expectativa agora é que durante a passagem pelo estreito da Flórida o contato com águas mais quentes faça a tempestade tropical ganhar força, com o risco de voltar a adquirir a categoria de furacão, que perdeu no domingo após deixar o Haiti, onde causou ao menos duas mortes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.