Após derrota eleitoral, Blair anuncia mudanças no gabinete

Pressionado por uma significativa derrota eleitoral, o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, promoveu uma reestruturação em seu gabinete nesta sexta-feira, trocando seu ministro mais visível, o secretário de Exterior Jack Straw. A manobra foi interpretada como uma tentativa de dar ao governo uma cara nova e angariar apoio para superar as crises no Irã e no Iraque.Para os críticos, no entanto, quem deveria sair é Blair, cujo partido, o Trabalhista, foi amplamente derrotado durante as eleições locais desta quinta-feira. A perda de apoio nas câmaras municipais do país está sendo amplamente vista como um referendo contra os problemáticos últimos anos de seu governo. Neste sentido, a ampla reestruturação do governo anunciada nesta sexta-feira tem sido vista como uma tentativa de retomar sua autoridade política."Isto deveria levar a mais do que uma reestruturação", declarou o líder da oposição, David Cameron, cujo decadente partido Conservador saiu revigorado em sua melhor performance eleitoral desde 1992. "O que precisamos nesse país é uma troca de governo", disse. A saída de Straw do Foreign Office acontece logo após a publicação de rumores de que ele e Blair divergiram em temas relacionados ao Irã e Iraque.Straw havia expressado dúvidas em relação à guerra no Iraque para Blair. O chanceler também assumiu um posicionamento diferente do defendido por seu chefe em relação ao IrãSegundo o Straw, uma ação militar contra Teerã é "inconcebível", algo que não seria dito nem pelo primeiro-ministro, nem pelos líderes americanos. Ele também chamou de "loucura" os planos revelados pela imprensa americana de que os EUA planejavam um ataque nuclear tático contra Teerã.Nova secretáriaA nova secretária de Exterior britânica, a ex-secretária do Meio Ambiente Margaret Beckett, será a primeira mulher a assumir o cargo.A escolha foi recebida com surpresa. Isso porque Beckett, uma política experiente e leal a Blair, tem pouca experiência em assuntos internacionais.Entre as principais atribuições da nova chanceler, está a manutenção das relações com o governo americano e a superação das crises diplomáticas do Irã e Iraque.Espera-se que Beckett, assim como seu predecessor, mantenha uma relacionamento próximo a sua colega no Departamento de Estado americano, Condoleezza Rice. Embora seja considerada fiel à Blair, Beckett tem mantido conexões com movimentos sindicais e dissidentes da esquerda trabalhista. Ela também fez críticas à invasão do Iraque durante o período pré-guerra.Segundo o porta-voz oficial do premier britânico, no entanto, a mudança no gabinete não resultará em uma virada na política externa do governo.Outras mudançasA reforma do gabinete contou também com outras mudanças. Dois ministros envolvidos em recentes escândalos que abalaram o governo foram demitidos ou desmotivados. Criticado por ter libertado criminosos estrangeiros sem consultar a possibilidade de deportá-los, o secretário de Interior, Charles Clarke, perdeu seu emprego e recusou ofertas para outros portos, decidindo deixar o governo.Blair defendeu Clarke durante a controvérsia dos prisioneiros, mas admitiu: "Dado o nível do clamor público, acho difícil que Charles continue".Já o vice-premier, John Prescott, manteve seu emprego. Recentemente, ele admitiu ter mantido uma relação extraconjugal com uma de suas secretárias. Ainda assim, após a reformulação desta sexta-feira, ele perdeu algumas de suas atribuições.Em outras mudanças, o secretário da defesa, John Reid, deixou seu posto para assumir o lugar de Clarke na secretaria do Interior. Des Browne, do tesouro nacional, assumiu a pasta de Reid.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.