Luka Gonzales/AFP
Luka Gonzales/AFP

Após derrota eleitoral, Keiko Fujimori volta à prisão

A nova prisão de Keiko, de 44 anos, acontece dois dias depois de seu partido ter sido punido nas urnas, com o fim de sua sua hegemonia no Congresso

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2020 | 23h03

LIMA - A líder opositora Keiko Fujimori foi detida nesta terça-feira, 28, logo após a justiça peruana determinar novamente sua prisão preventiva, como parte de uma investigação sobre um escândalo envolvendo a construtora brasileira Odebrecht.

"Imponho prisão preventiva pelo prazo de 15 meses à investigada", declarou o juiz Víctor Zúñiga, após expor durante 10 horas os argumentos de sua decisão, em uma audiência pública à qual Keiko Fujimori acompanhou os minutos finais.

Assim que ouviu a sentença, a filha mais velha do ex-presidente Alberto Fujimori (1990-2000), que também está preso, abraçou e beijou o marido e em seguida foi levada para o presídio feminino de Chorrillos, no sul da capital Lima.

"Se vocês estão assistindo este vídeo, é porque o juiz Víctor Zúñiga decidiu injustamente me enviar para a prisão novamente ... Isso não é justiça, é uma acusação", disse Keiko em um vídeo divulgado nas redes sociais minutos depois de ser presa.

Sua advogada de defesa, Giulliana Loza anunciou que vai recorrer da decisão, enquanto a promotoria, que havia solicitado 18 meses de prisão, concordou com a sentença, acrescentando que havia o risco de fuga do país. 

A nova prisão de Keiko, de 44 anos, acontece dois dias depois de seu partido ter sido punido nas urnas, com o fim de sua sua hegemonia no Congresso.

A líder do fuijimorismo  já ficou 13 meses presa por conta do escândalo de pagamentos ilegais a políticos feitos pela Odebrecht, que também afeta quatro ex-presidentes. Um deles, Alan García, cometeu suicídio. 

Keiko havia recuperado a liberdade em 29 de novembro, mas o Ministério Público apresentou novas acusações.

A promotoria afirma que ela recebeu contribuições ilegais da Odebrecht e de outras fontes para financiar suas campanhas eleitorais de 2011 e 2016, nas quais Keiko Fujimori ficou perto de conquistar a presidência do Peru. A Odebrecht no Peru disse, por meio de assessoria, que assinou uma acordo com o MP e continuará colaborando.

Além da acusação inicial de lavagem de dinheiro, o MP acrescentou denúncias de obstrução de justiça, associação ilícita, falsidade genérica, fraude processual e organização criminosa. /AFP  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.