Pedro Lopez/AFP
Pedro Lopez/AFP

Chile garante final da Libertadores entre Flamengo e River em Santiago

Final do torneio continental, marcada para o dia 23 de novembro em Santiago, está mantida

Rodrigo Cavalheiro ENVIADO ESPECIAL / SANTIAGO, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2019 | 14h52

SANTIAGO - A ministra de Esportes chilena, Cecilia Pérez, afirmou na tarde desta quarta-feira, 30, que a final da Copa Libertadores da América entre Flamengo e River Plate, marcada para o dia 23 de novembro em Santiago, às 17h30, um sábado, será mantida.

"Vamos trabalhar com o Ministério do Interior para levar adiante este evento. Eu tenho o compromisso do presidente de que o jogo será realizado", afirmou Cecilia, em entrevista coletiva. 

Para Entender

Guia para entender os confrontos no Chile

Presidente diz que país está ‘em guerra’ diante das manifestações violentas; entenda o que está acontecendo

Horas antes, o presidente do Chile, Sebastián Piñera, havia desistido de receber duas importantes cúpulas internacionais que ocorreriam este ano no país. A reunião da Cooperação Econômica Ásia Pacífico  (Apec) reuniria líderes mundiais nos dias 16 e 17 de novembro.

O outro encontro era a Conferência do Clima da ONU, a COP25, inicialmente prevista para ocorrer no Brasil. Depois da negativa do presidente Jair Bolsonaro em abrigar o evento, ele havia sido remarcado para Santiago, onde ocorreria de 2 a 13 de dezembro.

A ministra afirmou que a final da Libertadores não tem relação com as cúpulas com líderes mundiais, por se tratar de um evento esportivo "que une a todos".

Ao justificar as desistências de receber a Apec e a COP25, Piñera atribuiu a medida "às difíceis circunstâncias que tem vivido nosso país e considerando que nossa primeira preocupação e prioridade como governo é se concentrar absolutamente em, primeiro, restabelecer plenamente a ordem pública, a segurança cidadã e a paz social". Ele acrescentou ainda que a decisão havia causado "muita dor".

Piñera enfrenta uma série de manifestações que começaram como uma reação ao aumento da tarifa no metrô e ampliaram suas reivindicações. Nesta quarta-feira, 30, uma nova marcha deve parar o centro de Santiago. Desta vez, o foco principal é o preço dos pedágios na região metropolitana. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.