AP Photo/Mark Schiefelbein
AP Photo/Mark Schiefelbein

Após detenção de executiva da Huawei, China prende ex-diplomata canadense

Michael Kovrig, que trabalha na ONG International Crisis Group, foi detido por autoridades chinesas em Hong Kong

O Estado de S.Paulo

11 Dezembro 2018 | 13h50

HONG KONG - O governo da China prendeu nesta terça-feira, 11, o ex-diplomata canadense Michael Kovrig em Hong Kong. Kovrig é consultor para China da ONG belga International Crisis Group e foi detido por autoridades de Pequim dias depois de a executiva da empresa de tecnologia chinesa Huawei, Meng Wanzhou, ter sido presa por autoridades canadenses no Aeroporto de Vancouver. 

Apesar de o governo chinês ter alertado o Canadá de consequências para a prisão de Meng, que tem contra si um pedido de extradição nos Estados Unidos, ainda não está claro se os dois casos têm relação direta. 

A Huawei é acusada pelo governo americano de violar as sanções do país contra o Irã por meio de uma empresa sediada em Hong Kong chamada Skycom. 

A audiência de custódia da executiva entrou hoje em seu terceiro dia em um tribunal canadense. A defesa pediu para que ela seja libertada sob fiança.

Por meio de nota, o Crisis Group disse estar fazendo o possível para descobrir o paradeiro de Kovrig e que vai trabalhar pela sua libertação. A ONG, formada em 1995, não tem fins lucrativos e "trabalha para prevenir conflitos e forjar políticas pacíficas em todo o mundo"

Kovrig serviu como diplomata na embaixada canadense em Pequim entre 2014 e 2016. Ele também trabalhou em Hong Kong e na ONU. Recentemente, escreveu um artigo sobre as relações sino-americanas no Miami Herald. No texto, ele alertava para o nível das relações bilaterais -  segundo ele, o pior desde 1989. 

O político canadense Bob Rae qualificou a prisão de "um ato repressivo e de retaliação". / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.