Após drenagem de lago, cidade é inundada na China

Água invade as ruínas de Beichuan e carrega corpos; lago ameaçava 1,3 mi de sobreviventes de cidades próximas

The New York Times,

10 de junho de 2008 | 16h04

Partes baixas de uma das cidades mais devastadas pelo terremoto de 12 de maio na China foram inundadas por correntes de água após a drenagem do perigoso lago formado por deslizamentos de terra. A água invadiu as ruínas das casas, carros e carregou os corpos das vítimas de Beichuan.  Veja também:Lago na China é drenado para cidade destruídaMapa da destruição na China Entenda como acontecem os terremotos  Especial: antes de depois da tragédia  A inundação foi parte dos esforços de engenheiros e soldados para drenar Tangjiashan, um dos mais de 30 lagos que se formaram após o tremor. Por semanas, barragens de pedra e lama que continham os rios ameaçavam explodir e inundar cidades na região, com mais de 1.3 milhão de pessoas. O governo retirou 250 mil pessoas e os levou para uma área de maior altitude, incluindo os sobreviventes de Beichuan. As águas contribuíram para a total destruição da cidade, que já teve 22 mil habitantes e agora é símbolo da devastação do terremoto. Oficiais do governo disseram em maio que gostariam de preservar parte da cidade destruída, localizada nas montanhas ao norte da província de Sichuan, como um memorial às vítimas.  O primeiro-ministro Wen Jiabao visitou a cidade após o tremor, enquanto as equipes de resgate ainda buscavam sobreviventes em meio aos destroços. Agora, não está claro se a enchente poderá afetar os planos para o memorial. Sobreviventes de Beichuan foram removidos para campos de refugiados ou buscaram ajuda com amigos e parentes. Muitos estão em hospitais da região. As autoridades anunciaram que irão reconstruir a cidade em outro local.  Mais de 69 mil pessoas foram mortas pelo terremoto, e outros 17,5 mil são considerados desaparecidos. Muitas vítimas foram soterradas tão profundamente nos escombros que não puderam ser resgatadas. Em Beichuan e outras cidades, esses corpos foram sepultados em valas comuns após os cientistas coletarem amostras de seus tecidos ou dentes para exames de DNA. O rápido esvaziamento significa que o nível de água em Tangjiashan pode cair em breve para um patamar que não oferece riscos, indicou a agência oficial chinesa Xinhua. No fim de maio, mais de 600 soldados e policiais escavaram 1,3 mil pés da barragem para tentar drenar o lago. A água começou a descer pelo canal no sábado. O fluxo aumentou para 1.760 mil metros cúbicos por segundo na manhã desta terça, após os soldados passarem vários dias dinamitando pedras para agilizar a drenagem. Além de Beichuan, partes de outras cidades próximas ao lago foram afetadas pela enchente. Corrupção Os esforços das equipes de socorro continuam na região, mas a corrupção continua como sendo a principal preocupação. O governo chinês anunciou nesta terça que pelo menos 15 oficiais em Sichuan foram removidos de seus cargos por erros no auxílio às vítimas e outros 13 foram punidos de outras maneiras, informou a agência Xinhua. Vários blogs questionam agressivamente a eficiência dos esforços de resgate e onde exatamente os milhares de dólares das doações estão sendo usados. O governo central de Pequim fez uma série de anúncios recentemente dizendo que irá auditar com cuidado os esforços de ajuda, assegurando a transparência.

Mais conteúdo sobre:
Chinaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.