Após duas mortes, manifestantes ocupam praça na capital do Bahrein

Oposição xiita pede maior liberdade política em país controlado por uma monarquia sunita

estadão.com.br,

15 Fevereiro 2011 | 13h37

Policial cerca manifestante em Manama. Foto: Hamad I Mohammed/Reuters

MANAMA - Milhares de manifestantes ocuparam a praça das Pérolas, em Manama, capital do Bahrein, nesta terça-feira, 15, no terceiro dia de protestos inspirados pelas revoluções que derrubaram ditadores no Egito e na Tunísia. Até agora, dois manifestantes morreram e a oposição xiita, que representa 70% da população, decidiu boicotar o Parlamento.

Veja também:

especial Infográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos 

Grupos de oposição pedem maior liberdade política e o fim do controle da monarquia sunita sobre decisões importantes e cargos no governo. A maioria xiita alega sofrer discriminação.

Na praça, rebatizada de 'praça da Nação' os manifestantes gritavam: "Nem sunitas, nem xiitas, somos todos bareinitas". Mais cedo, policiais dispersaram cerca de 10 mil pessoas que protestavam em frente ao hospital, em luto por um dos manifestantes mortos ontem.

 

O rei Hamad bin Isa Al Khalifa foi à TV estatal e prometeu investigar as mortes. Ele ofereceu condolências às famílias das vítimas e prometeu implementar reformas, entre as quais aliviar a restrição à imprensa e à internet.

O Bahrein é uma das nações mais voláteis politicamente do Oriente Médio. A monarquia sunita aliada da Arábia Saudita controla o país, enquanto a maioria xiita tem apoio da linha-dura do Irã. A pequena ilha do Golfo Pérsico, rica em petróleo, é sede da Quinta Frota da Marinha Americana.

Iêmen

No Iêmen, milhares de pessoas protestam pelo quarto dia consecutivo, pedindo reformas políticas e o fim do governo do presidente Ali Abdullah Saleh, segundo o site da rede Al Jazeera. Saleh está no poder no país desde 1990, mas desde 1978 já era presidente do Iêmen do Norte, antes da união das partes norte e sul para formar o atual Iêmen.

A rede de televisão do Catar afirma que cerca de três mil pessoas protestam na capital, Sanaa, contra o governo. Houve confrontos com a polícia e pelo menos três pessoas estão feridas em Sanaa, afirma a Al-Jazira. Na cidade de Taaz, no sul iemenita, pelo menos 12 pessoas se feriram em confrontos com as forças de segurança, que usou gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.