Jason Redmond/AFP
Jason Redmond/AFP

Após EUA libertarem executiva da Huawei, China solta canadenses

Prisão da diretora provocou crise entre Pequim e Ottawa e complicou relações entre americanos e chineses

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2021 | 23h24

OTTAWA, Canadá - Dois canadenses detidos na China sob acusações de espionagem foram libertados e voaram para seu país, segundo anunciou o primeiro-ministro Justin Trudeau nesta sexta-feira, 24, horas depois que a diretora financeira da gigante chinesa de comunicações Huawei, Meng Wanzhou, obteve um acordo com a Justiça dos EUA. Wanzhou cumpria prisão domiciliar no Canadá e embarcou em um voo ainda nesta sexta-feira para a cidade chinesa de Shenzhen. 

A diretora financeira enfrentava um julgamento de extradição para os EUA, que a acusava de fraude bancária. Segundo a negociação desta sexta-feira, as partes concordaram em “adiar” as diligências judiciais. 

Uma juíza canadense encerrou o processo de extradição contra a executiva e ordenou o levantamento de suas condições de fiança, colocando fim a uma saga legal de quase três anos. A decisão foi tomada depois que a defesa da diretora financeira chegou a um acordo de adiamento do processo legal com o Departamento de Justiça dos EUA para evitar acusações de fraude. O imbróglio judicial complicou as relações entre Pequim e Washington. 

Meng Wanzhou, de 49 anos, filha do fundador da Huawei Ren Zhengfei, foi detida em 1º de dezembro de 2018 no aeroporto canadense de Vancouver a pedido de Washington.

A Justiça americana a acusou de ter mentido para um executivo do banco HSBC durante uma reunião em Hong Kong em 2013 sobre os vínculos entre o grupo chinês e uma subsidiária chamada Skycom que vendia equipamentos para o Irã. A empresária sempre negou as acusações. 

"Nos últimos três anos, minha vida virou de cabeça para baixo. Foi uma época perturbadora para mim como mãe, mulher e executiva de uma empresa. Mas acredito que toda nuvem tem um raio de luz prateado", disse Wanzhou após a decisão.

Dias após a prisão de Wanzhou no Canadá, a China deteve o empresário canadense Michael Spavor – que em agosto foi condenado a 11 anos de prisão por espionagem e roubo de segredos de Estado – e o ex-diplomata Michael Kovrig, provocando uma séria crise diplomática entre Pequim e Ottawa. O governo canadense considerava essas detenções uma retaliação pela prisão de Wanzhou. 

Disputa comercial

Pequim acredita que o governo dos EUA, então liderado por Donald Trump, buscava sobretudo enfraquecer a Huawei, empresa chinesa líder mundial em equipamentos e redes 5G, sem equivalente do lado americano.

Desde 2019, a Huawei tem sido objeto de sanções do governo americano, que a acusou de espionagem em seus telefones em favor da China. Com isso, a companhia chinesa não pode acessar tecnologias americanas para seus produtos, como o sistema operacional Android, de propriedade do Google e usado por quase todos os fabricantes de smartphones, exceto a Apple.

Devido às sanções, a Huawei também não pode acessar certos componentes para suas redes e smartphones. O resultado é que o grupo chinês foi expulso do pódio global de fabricantes de smartphones, após chegar a ultrapassar brevemente a Samsung e a Apple./AFP e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.