REUTERS/Marco Bello
REUTERS/Marco Bello

Após fiasco na Superterça, Michael Bloomberg vai bancar Biden?

Ex-prefeito de Nova York esperava bom resultado na Superterça, mas não conseguiu; ele está disposto a investir US$ 1 bilhão para derrotar Donald Trump

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2020 | 09h40

WASHINGTON - Após investir US$ 500 milhões e ter apostado todas as suas fichas na Superterça, o empresário e ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg está reavaliando a campanha após o péssimo resultado. Agora, a dúvida é o que ele fará com seus bilhões e com a equipe que estava trabalhando em dezenas de Estados para viabilizar a candidatura à Casa Branca. 

Se o resultado de Bloomberg foi desanimador, o ex-vice-presidente Joe Biden vive o oposto. Com vitória em nove Estados, ele lidera a corrida democrata para a presidência após um início decepcionante. Depois da Superterça, é grande a pressão para que a senadora Elizabeth Warren e Michael Bloomberg abandonem a disputa. 

No momento, o único apto a disputar com Biden é o senador Bernie Sanders, que empolgou no início da campanha com bons resultados mas é rejeitado pela parte moderada do Partido Democrata. 

Nesta quarta, a revista americana Newsweek publicou uma coluna questionando como o apoio de Bloomberg a algum candidato poderia ser decisivo. O empresário, que é a nona pessoa mais rica do mundo, sugeriu estar disposto disposto a gastar US$ 1 bilhão para ajudar o futuro candidato democrata a derrotar o bilionário presidente Donald Trump em seu projeto de reeleição, em novembro.

Para Entender

O que é a Superterça e por que ela pode ser crucial na eleição dos EUA

Votações em 14 estados e um território americano vão definir 35% dos delegados em corrida democrata; Sanders e Biden se consolidam como principais rivais

Bloomberg tem funcionários da campanha em Estados como Flórida, Carolina do Norte, Michigan, Pensilvânia, Wisconsin e Arizona, que podem ser decisivos na reta final. Apesar de discordar da posição dos concorrentes, ele estaria disposto a investir seu dinheiro em algum candidato democrata.

"Eu os apoiaria, sim, porque, em comparação com Donald Trump, é fácil", afirmou ao The New York Times no início do ano. No final de semana, o ex-prefeito de South Bend Pete Buttigieg e a senadora Amy Klobuchar, de Minnesota, abandonaram a disputa e anunciaram apoio a Biden. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.