Após 'fico' de Mubarak, multidão toma as ruas pelo Egito

Manifestantes protestam em frente a palácio presidencial e prédios do governo contra o ditador

estadão.com.br,

11 de fevereiro de 2011 | 11h19

Atualizada às 13h31

CAIRO - Centenas de milhares de manifestantes pró-democracia tomaram as ruas das principais cidades do Egito nesta sexta-feira, 11, após o presidente Hosni Mubarak, mais uma vez, resistir a renunciar. Os opositores tomaram a praça Tahrir e se concentram também em frente ao prédio da TV estatal e ao palácio presidencial. Há centenas de milhares de manifestantes também em Alexandria, Suez e outras cidades menores, como Damietta , Damnhur, Asuit, Sohag, Bani Swfi, Port Said e  Mansoura.

Veja também:

especialInfográfico: A lenta agonia de Hosni Mubarak

som TV Estadão: Veja imagens dos protestos na praça Tahrir

documento Artigo: De que lado está o Exército egípcio?

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

A praça, com capacidade para 250 mil pessoas está lotada. Em Alexandria, 100 mil saíram às ruas. Cerca de 2 mil pessoas protestam em frente ao palácio policial e ao menos mil em frente ao prédio da TV estatal Nas preces de sexta-feira, sagradas para o Islã, ímãs pediram que os manifestantes seguissem com os protestos.

"Fora! Fora com Hosni Mubarak", gritava a multidão em frente ao palácio. O Exército protegia o local com quatro tanques e os manifestantes tentavam convencer os soldados a se unirem a eles. "O que você está esperando. Sua lealdade pertence a Mubarak ou ao Egito?", disse um deles.

No sermão na praça Tahrir, clérigos muçulmanos compararam a manifestação com a luta de Moisés contra o Faraó, no Egito antigo. "Que Deus expulse os opressores", disse um ímã. Os organizadores pretendem realizar protestos em seis locais diferentes. Entre eles estão prédios ministeriais e do Parlamento.

Com AP e Reuters

Leia ainda:

link Mubarak deixou o Cairo, diz TV Árabe

linkForças Armadas declaram apoio ao ditador

linkElBaradei: Não está claro quem comanda o país

Tudo o que sabemos sobre:
Protestos no EgitoEgitoHosni Mubarak

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.