Pablo Martinez Monsivais/AP
Pablo Martinez Monsivais/AP

Após giro latino-americano, Obama volta aos EUA com foco na Líbia

Última etapa de viagem eclipsada por crise na Líbia foi em El Salvador; retorno foi antecipado

estadão.com.br

23 de março de 2011 | 16h27

O presidente americano, Barack Obama, encerrou nesta quarta-feira, 23, sua viagem de cinco dias  pela América Latina e, de volta aos Estados Unidos, deve concentrar as atenções na intervenção militar na Líbia liderada por Washington. A ofensiva, respaldada pelo Conselho de Segurança da ONU, eclipsou a importância política da passagem do líder democrata por Brasil, Chile e El Salvador.

 

O presidente antecipou em várias horas sua volta a Washington, onde críticas sobre atuação dos Estados Unidos na ação contra o ditador líbio Muamar Kadafi o aguardam. Obama deve enfrentar pressão por uma maior clareza quanto ao papel de seu país na missão das forças aliadas, além de questionamentos sobre os objetivos e o custo de abrir mais uma frente de batalha em outro país muçulmano, já que tropas americanas estão atualmente no Iraque e no Afeganistão.

 

A ação militar na Líbia foi autorizada por Obama quando ele estava no Brasil, e seus assessores tiveram que driblar uma agenda oficial lotada para manter o presidente informado enquanto comparceia a eventos em Brasília e no Rio de Janeiro. A viagem pela América Latina tinha como objetivo reafirmar a influência dos Estados Unidos na região, cortejada comercialmente pela rival China.

 

No Brasil e no Chile, Obama concentrou esforços no incentivo a acordos comerciais e a aceitação da exportação dos Estados Unidos - o que ajudaria na recuperação dos níveis de emprego em seu país, já visando a reeleição em 2012. Em El Salvador, falou mais de temas como imigração e segurança e prometeu um investimento de US$ 200 milhõespara ajudar a América Central a lutar contra o narcotráfico.

 

Nos últimos anos, a agenda da política externa dos Estados Unidos para América Latina foi praticamente esquecida - em oposição a uma atuação com mão-de-ferro durante a maior parte do século 20, antes e durante a Guerra Fria. A viagem de Obama visava justamente cobrir essa lacuna e reforçar os laços entre as Américas, mas a crise no Oriente Médio, em especial na Líbia, diminuiu o impacto político do gesto de Washington. Nenhum acordo ou pacto significativo no campo econômico foi firmado.

 

com Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.