Após golpe, Bird corta financiamento para Honduras

O presidente do Banco Mundial (Bird), Robert Zoellick, afirmou hoje que a instituição multilateral interrompeu o financiamento e a aprovação de novos projetos para Honduras, depois do golpe militar, ocorrido no domingo. "Nós basicamente colocamos uma pausa nos empréstimos", disse Zoellick, antes de seguir para o Chile para encontro no final de semana dos ministros das Finanças da América Latina, onde a deposição do presidente de Honduras, Juan Manuel Zelaya, deve dominar as discussões. Roberto Micheletti, presidente do Parlamento, foi colocado como presidente interino.

AE, Agencia Estado

30 de junho de 2009 | 13h27

Zoellick informou que está trabalhando de perto com a Organização dos Estados Americanos (OEA), que assumiu papel de liderança na resposta internacional à crise. "É uma situação instável e mutável e, neste caso, estamos tentando adotar um papel de apoio à região e às metas de restabelecer a democracia", afirmou Zoellick.

O ano fiscal do Banco Mundial começa em 1 de julho e Honduras deveria receber cerca de US$ 80 milhões em financiamento da Associação de Desenvolvimento Internacional do banco. O banco também interrompeu o envio para aprovação do conselho de alguns projetos novos para o país, disse Zoellick. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasgolpeBird

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.