Após grampos, ex-porta-voz de premiê britânico é preso

A polícia prendeu hoje o ex-porta-voz do primeiro-ministro britânico, David Cameron, enquanto o escândalo envolvendo o tabloide News of the World continua a envolver mais pessoas. O ex-porta-voz, Andy Coulson, havia sido editor do jornal entre 2003 e 2007. Cameron comentou a crise e anunciou uma investigação independente do caso.

AE, Agência Estado

08 de julho de 2011 | 08h50

Esta é a prisão do ex-funcionário mais graduado do jornal, no escândalo de suposta corrupção e interceptações ilegais feitas em telefones. Coulson havia deixado o posto de porta-voz do premiê David Cameron mais cedo neste ano, por causa do caso de grampos.

O escândalo envolve escutas ilegais feitas em telefones de celebridades, políticos e outras figuras públicas. Além disso, o caso ganhou força com a notícia de que havia sido grampeado em 2002 um celular de uma menina desaparecida, Milly Dowler, que foi assassinada.

Em 2007, o jornalista que cobria a realeza e um investigador privado trabalhando para o tabloide foram presos, após uma investigação culpá-los por grampear mensagens de telefone de alguns membros da família real.

Coulson deixou o cargo de editor do jornal em 2007, dizendo que assumia a responsabilidade pelos grampos ocorridos enquanto ele estava no comando, mesmo afirmando que não sabia nada sobre eles. Quando Cameron assumiu como primeiro-ministro, em maio de 2010, chamou Coulson para chefiar a área de comunicação do governo, o que gerou várias críticas.

É a sexta prisão desde que a polícia reabriu a investigação dos grampos mais cedo neste ano. Porém ninguém foi até o momento acusado formalmente. Por causa do escândalo, o News of the World circulará apenas até o domingo, segundo anunciou ontem o comando da empresa. O tabloide é parte da News Corp., de Rupert Murdoch, também proprietária da agência Dow Jones e do Wall Street Journal.

Cameron

Cameron falou sobre o caso hoje. O primeiro-ministro anunciou uma investigação independente, liderada por um juiz, para investigar os grampos. Essa apuração começará assim que a polícia encerrar seu trabalho de investigação. O premiê disse que deve haver uma análise da cultura da mídia no Reino Unido. "A verdade é que todos nós temos estado nisso juntos", afirmou Cameron. "Sim, inclusive eu."

O News of the World tem 168 anos e é o jornal mais vendido do país. Cameron assumiu toda a responsabilidade por contratar Coulson, porém defendeu a decisão, dizendo acreditar que só cabia a ele julgar o profissional pelo seu trabalho no governo. O premiê classificou Coulson como um amigo. Uma hora depois da declaração do premiê, Coulson, de 43 anos, foi detido pela polícia.

Há também uma pressão pela demissão de Rebekah Brooks, a executiva-chefe da operação de notícias da News Corp. Há relatos de que ela teria apresentado sua demissão recentemente, porém esta não foi aceita. "Eu teria aceitado [essa demissão]", comentou Cameron sobre o caso.

"Líderes partidários estavam tão interessados em obter apoio dos jornais que deixamos de enxergar", afirmou Cameron, comentando a cultura em torno da imprensa no país. Em 2009, o casamento de Brooks teve entre seus convidados o então premiê Gordon Brown, o próprio Cameron e outros importantes políticos.

Grampos

O escândalo de grampos remonta a 2005, quando funcionários do príncipe William alertaram pela primeira vez autoridades sobre a possibilidade de que o News of the World tivesse grampeado o telefone do príncipe. Nesse caso, o repórter Clive Goodman e o investigador Glenn Mulcaire pegaram quatro e seis meses de prisão, respectivamente. Coulson se demitiu após as condenações.

Na terça-feira, Coulson voltou aos holofotes, quando foi divulgada a notícia de que a companhia que edita o tabloide divulgou e-mails sugerindo que Coulson, enquanto editava o jornal, poderia já saber que o tabloide pagava policiais por informações sigilosas. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.