Após interrupção, países retomam negociação com Irã

As negociações entre o Irã e Estados Unidos, França e Rússia foram retomadas hoje em Viena, após terem passado o dia inteiro paralisadas, anunciou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). As conversações em torno do programa nuclear iraniano "foram retomadas", disse uma porta-voz da AIEA no início da noite de hoje, pelo horário local. "Não emitiremos hoje nenhum comunicado e as conversações prosseguirão amanhã", prosseguiu ela.

AE, Agencia Estado

20 de outubro de 2009 | 19h35

O segundo dia de negociações multilaterais foi paralisado na manhã de hoje, depois que o Irã criticou a participação da França no grupo. O Irã, que tem 10% das ações na usina nuclear francesa de Eurodif, critica a decisão do presidente francês, Nicolas Sarkozy, de não liberar ao país o urânio enriquecido nessa instalação. O entrave foi contornado numa reunião sem a participação da França, e à noite o grupo completo retomou o diálogo.

As potências ocidentais tentam convencer o governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad a enriquecer seu urânio em outro país, possivelmente a Rússia. Mas o porta-voz da Agência de Energia Nuclear do Irã, Ali Shirzadian, afirmou que o Irã não hesitará em produzir sozinho urânio se não houver acordo nas negociações.

O enriquecimento de urânio é um processo essencial para a geração de combustível usado no funcionamento das usinas nucleares. Em grande escala, o urânio enriquecido pode ser usado para carregar ogivas atômicas.

Os Estados Unidos e alguns de seus aliados suspeitam que o Irã desenvolva em segredo um programa nuclear bélico. O Irã sustenta que seu programa nuclear é civil e tem finalidades pacíficas, de acordo com as normas do Tratado de Não-Proliferação Nuclear, do qual é signatário. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclearAIEAFrançaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.