Karim Kadim/AP
Karim Kadim/AP

Após mais de 10 anos, Iraque suspende toque de recolher em Bagdá

Mesmo com situação de violência e a luta contra o EI, premiê justifica que medida tem intenção de 'aliviar o sofrimento dos civis'

O Estado de S. Paulo

05 de fevereiro de 2015 | 09h04

BAGDÁ - As autoridades do Iraque decidiram suspender nesta quinta-feira, 5, o toque de recolher noturno na capital Bagdá, que estava vigente há mais de 10 anos em razão da insegurança na cidade e atualmente durava quatro horas.

O comando de operações de segurança de Bagdá informou em um comunicado que o primeiro-ministro iraquiano, Haidar al-Abadi, ordenou a supressão da medida de exceção, apesar da violência não ter diminuído e do país viver uma dura luta contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

Abadi deu instruções para "aliviar o sofrimento dos civis" com o levantamento do toque de recolher a partir do sábado 7 de fevereiro, segundo a nota.

O primeiro-ministro analisou com o chefe das operações de Bagdá, o general Abdelamir Kamel al-Shomari, e outros comandantes a situação atual e as possíveis medidas para melhorar a segurança.


Nesta reunião, Abadi ordenou ainda que se considerem "zonas desmilitarizadas" as regiões de Al Kazemiya, Al Azamiya, Al Mansur, Al Karrada e Al Sayediya, todas em Bagdá.

O horário do toque de recolher mudou ao longo dos anos de acordo com a situação de segurança que o país passava. O último vigorava desde a meia-noite até às 5 horas (horário local).

A medida de exceção foi imposta após o aumento da violência com a ocupação do país pelas tropas americanas, em abril de 2003, que acabou com o regime do ditador Saddam Hussein. Sua aplicação foi intermitente. Primeiro permaneceu vigente por seis meses, mas em novembro de 2004 voltou a ser aplicada na capital e em outras cidades do país. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueBagdátoque de recolher

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.