Após mal-estar, oposição no Japão quer renúncia de ministro

A oposição japonesa boicotou nesta quinta-feira o iníciodas sessões no Comitê de Orçamento do Parlamento para exigir a renúncia do ministro da Saúde, Hakuo Yanagisawa, que chamou as mulheres de "máquinas de fazer filhos".O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, rejeitou a exigência. Mas criticou publicamente o ministro, de 71 anos, pelos comentários que considerou "inapropriados".O governo alega que Yanagisawa se retratou quase imediatamente e que sua intenção era chamar a atenção para a ameaça da baixa taxa de fertilidade no Japão. Mas crescem as vozes, inclusive no partido governante, para que o ministro deixe o posto.Nesta quinta-feira, a oposição japonesa não foi à abertura das sessões no Comitê de Orçamento. Segundo a agência Kyodo, só participaram da sessão os parlamentares da coalizão governante, formada pelo Partido Liberal-Democrata e pelo Novo Komeito.No sábado, o ministro da Saúde pediu às japonesas que tenham mais filhos, para combater a redução da população japonesa. Mas as palavras que escolheu causaram revolta."O número de mulheres entre 15 e 50 anos não varia. Como não varia o número de máquinas de fazer filhos, o que pedimos é que cada uma delas faça o melhor que puder", disse o ministro. Pouco depois, ele pediu perdão às mulheres.Dias depois, Abe, casado e sem filhos, exigiu, numa conversa por telefone, que Yanagisawa não faça "comentários inapropriados", segundo o porta-voz do chefe do governo, Yasuhisa Shiozaki.Em 2005 as mulheres japonesas de 15 a 49 anos tiveram só 1,26 filho em média, a menor taxa já registrada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.