Após manhã em alta, cai participação nas eleições isralenses

Comparecimento às urnas para eleger novo premiê pode ficar abaixo de 62,3%, pior índice da História do país

Agência Estado e Dow Jones,

10 de fevereiro de 2009 | 16h26

O comparecimento dos israelenses nas eleições nacionais desta terça-feira, 10, diminuiu à tarde, levantando em analistas a possibilidade de que o total de votantes fique abaixo dos 63,5% de 2006 e mesmo abaixo dos 62,3% de 2001, pior índice da história do país. Apesar de, pela manhã, o comparecimento de eleitores registrados às urnas ter sido maior em comparação às eleições de 2006 - 23,4% ao meio-dia local, dois pontos porcentuais a mais que na mesma hora da eleição passada -, à tarde o comparecimento estava em apenas 42% dos cidadãos habilitados a votar, segundo a comissão central eleitoral.   Enviado do 'Estado' comenta expectativas Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  Quem tem medo de Avigdor Lieberman?  Veja os principais candidatos a premiê de Israel Conheça os principais partidos israelenses  Os israelenses foram às urnas nesta terça para escolher um novo governo em uma batalha acirrada no último minuto entre o centrista Partido Kadima e o Likud, de direita. A líder do Kadima, a ministra de Relações Exteriores Tzipi Livni, de 50 anos, uma ex-espiã da Mossad, prometeu manter as conversas de paz com os palestinos, buscando uma solução de dois Estados.   O rival dela, Benjamin Netanyahu, de 59 anos, líder do Likud, rejeita muitas das concessões vistas como cruciais para se chegar à paz. O resultado pode afetar os planos do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para realizar um processo bem-sucedido de paz entre israelenses e palestinos. Netanyahu liderou as pesquisas durante meses. Porém, nos últimos dias a ministra ganhou espaço, ameaçando o rival. Uma pesquisa de última hora registrou Tzipi Livni pulando na frente. "Eu diria que é uma disputa acirrada com uma margem mínima para Livni", disse o pesquisador independente Rafi Smith. "Mas esta é uma corrida muito apertada, que pode pender para qualquer lado."Caso vença, Tzipi Livni seria a primeira mulher a liderar Israel em 40 anos. No entanto, o complexo sistema eleitoral israelense não garante que ela se torne primeira-ministra por ter mais votos. Como os partidos de direita tem melhores perspectivas nestas eleições, a centrista pode ter dificuldades para formar uma coalizão com 61 dos 120 membros do Parlamento. Caso não consiga fazê-lo, o presidente Shimon Peres pode determinar que Netanyahu lidere o governo. Além da previsão de tempo ruim em boa parte do país, os israelenses comparecem às urnas pela sexta vez em dez anos, depois da renúncia do primeiro-ministro Ehud Olmert, suspeito de envolvimento com corrupção. O atual premiê nega todas as acusações.  

Tudo o que sabemos sobre:
Israeleleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.