Após navio grego afundar, capitão é acusado de negligência

O capitão e cinco tripulantes do "Sea Diamond" que afundou próximo à ilha grega de Santorini foram acusados neste sábado, 7, de negligência, segundo a rede de TV estatal NET.Os seis acusados devem responder também por infringir normas de segurança do navio e poluição do meio ambiente. de acordo com a reportagem da NET, todos estão soltos, enquanto a investigação continua. Segundo um porta-voz do ministério disse nesta sexta-feira à televisão Alpha, o capitão do cruzeiro informou que os 1.155 passageiros do navio estavam a salvo.O cruzeiro de 140 metros de comprimento afundou na madrugada desta sexta-feira às margens da ilha, onde tinha sido rebocado por outras embarcações para evacuar os ocupantes que agora parecem ser 1.546, contando os 1.155 passageiros e 391 membros de tripulação, sem que haja uma coincidência entre as declarações do ministério e da companhia.Brasileiros no navioA Embaixada do Brasil na Grécia disse nesta sexta-feira, 6, que pelo menos sete brasileiros estavam a bordo do Sea Diamond. ?Uma pessoa nos ligou do Brasil pedindo ajuda para sete pessoas que perderam os passaportes?, informou Babis Petsas, funcionário da embaixada.Segundo ele, os turistas receberão uma autorização de retorno ao Brasil, já que não é possível emitir novos passaportes. DesaparecidosOs passageiros franceses que não estavam entre os evacuados do navio foram identificados como Jean-Christophe Allain, 45, e sua filha Maud, de 16 anos. Mergulhadores vasculharam a embarcação em busca de seus corpos.O ministro Fanny Palli Petralia, que falou com a esposa de Allain, disse que a cabine da família foi tomada pela água quando o navio atingiu o recife vulcânico."Ela não estava cerca de que sua filha e marido conseguiram sair porque as coisas aconteceram muito rápido. Sua outra criança estava no convés e eles foram evacuados com segurança", afirmou Petralia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.