Chip Somodevilla/Getty Images/AFP
Chip Somodevilla/Getty Images/AFP

Após nevasca, capital dos EUA tenta retomar rotina

Mesmo assim, Washington precisará de vários dias para voltar à completa normalidade; tempestade no fim de semana despejou 60 centímetros de neve sobre a Costa Leste

O Estado de S. Paulo

26 Janeiro 2016 | 18h53

WASHINGTON - A capital dos EUA, Washington, suspenderá nesta quarta-feira, 27, a emergência decretada em razão da forte nevasca que enfrentou no fim de semana. A informação foi anunciada hoje pela prefeita do Distrito de Colúmbia, onde fica a cidade, Muriel Bowser, em um sinal de que a cidade estava retornando à normalidade após a forte tempestade que atingiu a região leste do país. 

Mesmo assim, a capital precisará de vários dias para voltar à completa normalidade. A tempestade no fim de semana despejou 60 centímetros de neve sobre a Costa Leste, deixando ao menos 36 mortos e causando bilhões de dólares em danos.

Hoje, ainda havia vários órgãos do governo fechados. As escolas nos bairros e subúrbios adjacentes continuavam com as aulas suspensas e todas as votações na Câmara dos Deputados foram canceladas até a próxima semana.

Segundo a prefeita Muriel Bowser, as escolas públicas continuariam fechadas, mas os escritórios da prefeitura voltariam a funcionar. Ela pediu aos moradores que utilizassem o transporte público, evitando dirigir e estacionar nas ruas cheias de neve. “Sabíamos que teríamos vários dias de limpeza pela frente”, disse Muriel a jornalistas.

As autoridades confirmaram 36 mortes ligadas à tempestade, incluindo em acidentes de trânsito e pessoas que tiveram ataques cardíacos enquanto retiravam neve em Washington, Delaware, Kentucky, Maryland, New Jersey, Nova York, Carolina do Norte, Carolina do Sul, Ohio, Tennessee e Virgínia.

O meteorologista especializado em gestão de riscos Jeff Waters afirmou que a tempestade “pode figurar como um dos eventos mais significativos da história recente” do país. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.